A última sessão de uma série de contra interrogatórios de Morris Talansky, principal testemunha de acusação em um caso de corrupção que envolve o primeiro-ministro israelense Ehud Olmert, começou nesta terça-feira em um tribunal de Jerusalém.

Em uma declaração feita em maio, esse empresário norte-americano assegurou que havia entregado a Olmert mais de 100.000 dólares em efetivo, dentro de envelopes, ao longo de quinze anos.

Olmert negou qualquer malversação, embora tenha reconhecido que recebeu fundos para suas campanhas eleitorais, principalmente para a Prefeitura de Jerusalém em 1999 e 2003.

Talansky, de 75 anos, foi submetido nesta terça-feira pela quinta vez às perguntas dos advogados de Olmert, que nas sessões anteriores conseguiram enfraquecer seu testemunho ao fazê-lo incorrer em contradições e em erros de memória.

O empresário norte-americano deverá ser submetido novamente às perguntas dos advogados nos dias 31 de agosto e 1o de setembro.

ChW/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.