Quênia decreta feriado nacional e comemora a vitória de Obama

O presidente queniano, Mwai Kibaki, decretou feriado nacional nesta quinta-feira no país para celebrar a eleição histórica à presidência dos Estados Unidos de Barack Obama, cujo pai era queniano.

AFP |

"O presidente Kibaki enviou uma mensagem de felicitação ao presidente eleito Barack Obama", afirma um comunicado oficial.

"O presidente Kibaki decretou amanhã, 6 de novembro, feriado para que os quenianos possam celebrar a conquista histórica do senador Obama e de nosso país", acrescenta a nota.

"A vitória do senador Obama é a vitória de nosso país, por suas raízes, aqui no Quênia", afirmou Kibaki, segundo o texto.

Na aldeia de Kogelo, onde vive a avó paterna de Obama, a multidão que durante toda a noite acompanhou o desenvolvimento da eleição americana em um telão gigante recebeu a notícia da vitória de Obama com gritos e emoção.

"O senador Obama é nosso novo presidente. Deus respondeu a nossas orações", comentou um pastor.

"Esta vitória faz com que nos sintamos realmente bem", afirmou, Roselyne Ayaro, que exibia uma foto de Barack Obama.

Sarah Obama, a avó paterna do novo presidente, é a terceira esposa do avó de Obama. Apesar de não haver vínculos biológicos, Obama a considera com sua avó.

Em Nairóbi, dezenas de pessoas se reuniram na esplanada de um centro de conferências da cidade dançando ao ritmo de reggae e aos gritos de "Yes, we can" assim que souberam a notícia.

"Nós desejamos 'baraka! (bênção em língua suaíli). Ele trará bênçãos e esperança para todo o mundo", afirmou o pastor Danson Mwangoto, de 44 anos.

"Estou muito feliz, isso é histórico e estamos orgulhosíssimos", afirmou o empresário Luke Seurey, de 28 ano, que viajou a noite toda de Mombasa (sudeste) a Nairóbi para participar na festa.

"Pela primeira vez os americanos reconheceram a importância dos negros", acrescentou.

"Obama conseguiu superar todos os obstáculos, especialmente a cor de sua pele, e o fato de ir contra o establishment político nos Estados Unidos", afirmou, entusiasmado, Victor Adundo, um advogado de 24 anos.

Na favela de Nairóbi, Kibera, onde vive uma grande comunidade luo - a etnia do pai de Obama -, grupos de jovens também festejaram a novidade com tranqüilidade.

No início de 2008 foram registrados terríveis atos de violência entre as comunidades luo e kikuyu de Kibera depois da impugnação dos resultados das eleições presidenciais quenianas.

Reagan Onyango, de 25 anos, exibindo uma bandeira americana, comentou que "os políticos quenianos têm muito o que aprender com Barack Obama, especialmente em termos de democracia e sabedoria".

"Aqui, as comunidades consideram as eleições de forma diferente. Lá, todo mundo estava a favor de Obama, nada tinha a ver com etnias", destacou, enquanto, em seu rádio portátil, se ouvia canções em homenagem a Obama.

str/fp/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG