Quênia decide impor sanções ao presidente da Somália

Nairóbi, 16 dez (EFE).- O ministro de Assuntos Exteriores do Quênia, Moses Wetangula, anunciou hoje sanções contra o presidente da vizinha Somália, Abdullahi Yousef, a quem acusou de ter se transformado em um obstáculo para a paz em seu país.

EFE |

As sanções, que também serão aplicadas à família de Yousef, incluem uma possível proibição de entrada ao Quênia e o bloqueio de seus ativos neste país, no entanto, a data de começo das medidas ainda não foi determinada, disse Wetangula em entrevista coletiva, em Nairóbi.

Wetangula pediu também à região e à comunidade internacional para que atuem "em uníssono e condenem os que arruinaram o processo de paz somali", em alusão a Yousef.

Segundo o ministro, o Quênia atua dentro de uma decisão que a Autoridade Intergovernamental de Desenvolvimento do Leste da África (Igad) tomou em novembro passado sobre a Somália, e pela qual foi decidida a imposição de sanções aos líderes somalis que foram identificados como um obstáculo para a paz no país.

O chanceler queniano apoiou também sua decisão nas ligações diretas que o Quênia teve na formação do Governo de transição da Somália, cujos cidadãos cruzaram as fronteiras comuns para escapar do conflito civil no país.

"Meu país está envolvido na Somália, já que reúne mais de 250 mil refugiados somalis e atua como base das operações da ONU e das ONG no Estado vizinho", disse Wetangula, que ressaltou que o Quênia foi sede durante dois anos das negociações que ocorreram em 2004 ao Governo federal de transição somali. EFE pa/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG