Queda de avião no Congo deixa ao menos 70 mortos

Por Naomi Schwarz GOMA (Reuters) - Mais de 70 pessoas morreram quando um avião congolês que decolou da cidade de Goma, no leste do país, caiu e explodiu em um movimentado distrito comercial nesta terça-feira, disseram testemunhas e autoridades.

Reuters |

Seis pessoas -- os dois pilotos e quatro passageiros, dois deles crianças -- sobreviveram à queda do Boeing 727 da Hewa Bora Airways, disse o governador da província de North Kivu, que tem Goma como capital.

O avião saía de Goma em direção a Kinshasa, capital da República Democrática do Congo, quando caiu no movimentado distrito comercial de Birere, um lugar bastante povoado, cheio de lojas que estavam lotadas na hora do acidente.

As testemunhas ouviram uma grande explosão, que incendiou vários prédios. Uma grande nuvem de fumaça se formou sobre o local da queda.

'Metade do avião se partiu. Há fogo na região do fundo. As pessoas estão vindo com baldes de água para apagar o fogo. A ONU está aqui, tentando afastar a multidão', disse uma testemunha que estava no local.

O governador de North Kivu, Jlien Paluku, disse à Reuters que havia 79 passageiros e 6 tripulantes a bordo. 'Seis pessoas foram salvas, dois pilotos e quatro passageiros, incluindo duas crianças', disse ele.

A República Democrática do Congo tem o tamanho da Europa Ocidental, mas apenas algumas centenas de quilômetros de estradas pavimentadas e um dos piores históricos de segurança no ar do mundo.

Uma autoridade da Cruz Vermelha congolesa disse que o número de mortos provavelmente vai aumentar, mas o resgate dos corpos ficará mais difícil devido aos incêndios. Pelo menos um prédio foi destruído pela queda do avião.

Oficiais da Hewa Bora Airways não estavam disponíveis de imediato para comentar.

Na semana passada, a União Européia pôs a Hew Bora Airways em uma lista de companhias de aviação proibidas de voar nos céus dos 27 países do bloco por questões de segurança.

No ano passado, aconteceram oito acidentes de avião no Congo, de acordo com o Escritório de Registros de Quedas de Aeronaves, de Genebra.

(Reportagem adicional de Lubunga Bya'Ombe, em Kinshasa, e William Schomberg, em Bruxelas)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG