Quase um furacão, Gustav se aproxima da Jamaica

NOVA YORK (Reuters) - A tempestade tropical Gustav ganhou força na manhã de quinta-feira ao se aproximar da Jamaica e deve voltar a ser um furacão nas próximas horas, segundo o último boletim do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos. Às 9h (hora de Brasília), o centro da tempestade estava cerca de 130 quilômetros a leste de Kingston, capital da Jamaica, e 275 ao sul de Guantánamo (Cuba), com ventos regulares de até 113 quilômetros por hora (um pouco abaixo dos 119 quilômetros por hora que o colocariam como um furacão da categoria 1).

Reuters |

O sistema está praticamente parado, mas deve se deslocar para oeste-sudoeste antes de fazer uma curva para oeste ainda na quinta-feira, passando rente à Jamaica, cujo governo declarou estado de alerta.

Na maioria das projeções, a tempestade continuará rumando para noroeste, passando ao largo da costa sul de Cuba, para então entrar no domingo no golfo do México, atingindo inclusive as plataformas norte-americanas de gás e petróleo na região.

Na segunda ou terça-feira, já na categoria 3 (ventos superiores a 185 quilômetros por hora), Gustav pode chegar à costa do Texas ou Louisiana -- embora os meteorologistas alertem que as previsões com tanta antecedência são menos confiáveis.

Empresas de petróleo como Shell e BP começaram a retirar seus funcionários das plataformas marítimas na quarta-feira, atividade que deve se intensificar se forem mantidas as atuais previsões.

A cotação do petróleo nos EUA subiu 5 dólares por barril nesta semana (4 por cento), em grande parte devido ao risco a plataformas e refinarias da costa sul dos EUA. Pelo mesmo motivo, o preço do gás natural no país subiu 11 por cento nesta semana.

O golfo do México é a origem de quase 25 por cento do petróleo e 15 por cento do gás natural produzidos nos EUA.

O Centro Nacional de Furacões também está monitorando a recém-formada Depressão Tropical Oito, que está cerca de 570 quilômetros a leste-nordeste das ilhas Sotavento.

De acordo com os meteorologistas, esse sistema pode se tornar uma tempestade tropical na quinta-feira ou sexta-feira.

Seria batizada de Hanna.

As projeções por computador indicam que esse sistema avança para noroeste, mas deve fazer uma curva para oeste, rumando para a costa Sudeste dos EUA.

Uma outra depressão, que pode se desenvolver lentamente nos próximos dois dias, está no outro lado do Atlântico, cerca de 1.200 quilômetros a oeste de Cabo Verde, deslocando-se para oeste a uma velocidade de 16 e 24 quilômetros por hora.

O próximo boletim do Centro Nacional de Furacões está previsto para as 12h (hora de Brasília).

(Por Joe Silha)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG