Quase 50% dos italianos querem renúncia de Berlusconi

Maioria da população defende saída do premiê italiano, envolvido no escândalo que ficou conhecido como 'Rubygate'

AFP |

Quase metade dos italianos acredita que o chefe do governo Silvio Berlusconi, envolvido no escândalo "Rubygate", deve renunciar. A conclusão foi tirada de uma pesquisa publicada pelo jornal Corriere della Sera . De acordo com o levantamento, que ouviu 800 pessoas entre quarta-feira e quinta-feira, 49% dos italianos acreditam que o primeiro-ministro deve deixar o poder, contra 45% que pensam o contrário.

O jornal mais lido da Itália afirma que o resultado é determinado pela posição majoritariamente contra Berlusconi do eleitorado de centro, em particular do Futuro e Liberdade, o partido criado por Gianfranco Fini, ex-aliado e agora rival do 'Cavaliere'.

O novo escândalo de sexo e abuso de poder ameaça acabar com a carreira política do magnata dos meios de comunicação, acusado pela promotoria de Milão de ter pago por relações sexuais com uma menor de idade, conhecida como Ruby, e de ter utilizado o cargo para evitar a detenção da jovem por um suposto roubo.

A questão judicial começou na segunda-feira passada, quando a promotoria entregou oficialmente ao Parlamento as atas, resumidas em 389 páginas, com as "numerosas provas" de que o chefe do goverrno italiano teria violado a lei contra a prostituição de menores e cometeu abuso de poder.

No sábado, Berlusconi reiterou em um discurso por telefone durante uma reunião de seu partido, Povo da Liberdade, que não pensa em renúncia."Eu não fujo, não renuncio", disse.

    Leia tudo sobre: ItáliaPolíticaBerlusconiEscândaloPesquisa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG