A polícia espanhola prendeu nesta terça-feira, na Catalunha, 15 albaneses suspeitos de integrar uma quadrilha que comprava mulheres no Brasil. As mulheres eram prostituídas e revendidas a prostíbulos de outros países europeus.

Fontes ligadas à operação "Troia" informaram que a quadrilha operava nas cidades de Vendrell e Calafell (próximas a Barcelona), e trabalhava em conjunto com máfias internacionais de tráfico de mulheres, que buscavam as vítimas em diversas cidades brasileiras. O Ministério do Interior da Espanha contatou a Polícia Federal do Brasil para o prosseguimento das investigações.

Uma fonte policial disse à BBC Brasil que o esquema funcionava de "uma maneira violenta e cruel" e que as mulheres eram "tratadas como animais".

"Eles nunca viajavam para o Brasil. Encomendavam o número de mulheres que queriam, às vezes até escolhendo as características físicas e idade, e negociavam com traficantes brasileiros".

"Aqui, elas eram obrigadas a exercer a prostituição sob ameaça, surras e vigilância absoluta. A cada três ou quatro meses algumas eram vendidas a outros cafetões. Era como uma cadeia de mercadorias que vão sendo repassadas", disse o policial.

Segundo a polícia, os traficantes de mulheres tinham um sistema para evitar que as prostitutas fugissem ou denunciassem a exploração aos clientes: ameaçavam agredir ou matar as famílias no Brasil.

O caso mais grave descoberto pelos investigadores foi o de uma mulher de 21 anos (cuja identidade não foi revelada) que ficou quase dois anos presa num apartamento em Barcelona, forçada a se prostituir e sem poder sair à rua, nem ter contato com o exterior.

A vítima, que era menor de idade quando chegou à Espanha, foi revendida a uma outra quadrilha, que também atuava na Catalunha e já foi desmantelada.

Segundo os policiais, as 28 brasileiras encontradas nos prostíbulos da organização estão recebendo atenção médica e psicológica em ONGs de ajuda às mulheres exploradas sexualmente, como a Agência de Abordagem Integral de Trabalho Sexual, e deverão ser repatriadas em breve.

Os 15 detidos por tráfico de pessoas enfrentam acusação de coação e obtenção de lucro com a prostituição, formação de quadrilha, falsificação de documentos, agressões sexuais, lesões e violação dos direitos dos cidadãos estrangeiros e de direitos trabalhistas.

A operação continua aberta e a polícia espanhola já emitiu uma ordem internacional de prisão para outros membros da quadrilha em diversos países europeus.

Os dados sobre a identidade das vítimas e das máfias brasileiras envolvidas no caso não foram divulgados pela polícia, porque fazem parte da investigação em andamento, disse um policial.


Leia mais sobre prostituição

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.