Pyongyang diz que reforçará arsenal nuclear se ameaças dos EUA continuarem

Seul, 9 jun (EFE).- A Coréia do Norte afirmou hoje que reforçará seu arsenal nuclear e outras forças de dissuasão de guerra se Estados Unidos e Coréia do Sul mantiverem as ameaças militares contra o país, anunciou hoje a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

EFE |

Em comunicado divulgado pela missão militar da Coréia do Norte estabelecida na zona desmilitarizada de Panmunjom, na fronteira com o sul, Pyongyang diz que as últimas ameaças de Seul e Washington contra seu país poderiam prejudicar as negociações entre seis partes para a desnuclearização norte-coreana.

O comunicado cita o acordo assinado em abril entre o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, e o americano, George W. Bush, segundo o qual não será reduzido o número de tropas americanas posicionadas na Coréia do Sul como parte do poder de dissuasão diante de um eventual ataque norte-coreano.

A postura de Washington a respeito foi confirmada pelo secretário de Defesa americano, Robert Gates, durante sua visita a Seul, na semana passada. Atualmente, os EUA mantêm um contingente de 28.500 soldados na Coréia do Sul.

Segundo a "Yonhap", uma equipe americana visitará amanhã a Coréia do Norte para abordar o processo de desnuclearização do país. O grupo será liderado pelo diretor do escritório de Assuntos Coreanos do Departamento de Estado dos EUA, Sung Kim, e ficará no país asiático até quarta.

Cinco dos países que integram o diálogo nuclear de seis partes - exceto a Coréia do Norte - participarão de uma reunião de dois dias, amanhã e quarta em Sul, para tratar do envio de energia prometido a Pyongyang em troca de sua desnuclearização.

O encontro contará com a presença de representantes de Coréia do Sul, EUA, Japão, China e Rússia. EFE ce/ev/dp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG