atos ilegais - Mundo - iG" /

Pyongyang diz que jornalistas americanas confessaram atos ilegais

Seul, 17 jun (EFE).- A Coreia do Norte disse que as duas jornalistas americanas condenadas recentemente em seu país reconheceram ter cometido atos ilegais para uma campanha de calúnia contra o país comunista, informa hoje a imprensa sul-coreana.

EFE |

Além disso, o comunicado oficial divulgado pela agência "KCNA" assegura que no julgamento realizado entre os dias 4 e 8 de junho ficou provado que as jornalistas Laura Ling e Euna Lee cruzaram a fronteira da China com a Coreia do Norte.

"Na manhã do dia 17 de março, dois homens não identificados e as duas mulheres cruzaram o Rio Duman em direção ao lado norte-coreano da fronteira com a China", detalha o relatório norte-coreano.

"No julgamento, as acusadas reconheceram que cometeram atos criminosos, promovido pelos motivos políticos de isolar e asfixiar nosso sistema socialista", assegurou a Coreia do Norte mediante um comunicado emitido ontem por sua agência estatal "KCNA".

Laura Ling, de 32 anos, e Euna Lee, de 36, que trabalham para o veículo digital "San Francisco Current TV", foram detidas no dia 17 de março na fronteira do país comunista com a China enquanto gravavam imagens para um documentário sobre tráfico de mulheres norte-coreanas.

No final de março, a Coreia do Norte anunciou que as acusaria de "entrada ilegal e atos hostis, com base nos documentos sobre seus crimes", obtidos nas investigações e nas declarações das próprias jornalistas.

O principal tribunal da Coreia do Norte condenou as duas a 12 anos de trabalhos forçados pela entrada ilegal em seu território.

EFE ce/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG