Pyongyang critica Seul por endurecimento de política

Seul - A Coréia do Norte lançou nesta terça-feira duras críticas contra o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, a quem acusou de traidor pró-americano e de impulsionar o confronto entre as duas Coréias pelo endurecimento de sua política em direção a Pyongyang.

EFE |

Trata-se da primeira crítica que o regime de Pyongyang lança diretamente contra Lee, desde que ele assumiu a Presidência, em 25 de fevereiro.

Em artigo publicado hoje pelo diário "Rodong Sinmun", do Partido dos Trabalhadores da Coréia do Norte, Pyongyang advertiu Lee de que o endurecimento de sua política trará "conseqüências catastróficas irrevogáveis" nas relações intercoreanas.

O jornal, em nome do regime norte-coreano, afirmou que a Coréia do Norte não terá outra opção a não ser modificar sua política em relação à Coréia do Sul caso Lee opte pelo confronto, ignorando os acordos de paz e cooperação assinados nas cúpulas realizadas em 2000 e 2007.

Por isso, considera que o Governo de Lee, a quem acusa de ter uma política pró-americana, será o responsável das conseqüências catastróficas irrevogáveis derivadas do congelamento das relações entre as duas Coréias.

Desde que tomou posse, Lee anunciou uma política dura em relação a Pyongyang e uma aproximação a Washington, e condicionou as relações com a Coréia do Norte aos avanços no processo da desnuclearização norte-coreana.

As relações entre as duas Coréias não se encontram agora em bom momento.

Na semana passada, a Coréia do Norte expulsou os funcionários sul-coreanos do complexo industrial da cidade norte-coreana de Kaesong, e ameaçou "reduzir a cinzas" a Coréia do Sul se o país tentar realizar um ataque preventivo contra seu vizinho do norte.

    Leia tudo sobre: coréia do nortecoréia do sul

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG