Putin de acordo com proposta de ampliação do mandato presidencial na Rússia

O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, mostrou-se de acordo nesta quarta-feira com a proposta de ampliar a duração do mandato presidencial em seu país, e sugeriu que não exclui sua volta à chefia do Estado.

AFP |

"Apóio a proposta do (presidente) Dimitri Medvedev" de estabelecer o mandato em seis anos, ante os quatro em vigor atualmente, disse Putin citado pela agência Interfax.

"Ainda é muito cedo para dizer quem pode se apresentar para um próximo mandato e quando", acrescentou.

Putin considerou que as propostas do presidente se referem a "emendas constitucionais", que não têm "nenhuma dimensão pessoal".

As propostas "foram feitas como parte de uma série de medidas para melhorar as estruturas do poder" e contribuir "para o desenvolvimento do processo democrático no país", acrescentou.

A câmara baixa do Parlamento russo examinará na sexta-feira, com três leituras no mesmo dia, o projeto de lei que ampliaria a duração do mandato presidencial.

O presidente Dimitri Medvedev enviou o projeto na terça-feira.

Alongando a duração do mandato presidencial, a equipe no poder procura, antes de tudo, reforçar a estabilidade política na Rússia, estimam alguns analistas.

"Menos eleições, menos riscos", destaca Sam Greene, do centro Carnegie de Moscou.

A comentarista de oposição Ioulia Latynina considera, em troca, que as eleições antecipadas serão organizadas em defesa da revisão constitucional, que teria como objetivo trazer Putin de volta à presidência.

Vladimir Putin não pôde se apresentar às eleições de março de 2008 após dois mandatos consecutivos, mas poderá fazê-lo no próximo pleito; de qualquer forma, sua influência, assim como sua popularidade ficam preservadas no cargo de primeiro-ministro.

Para entrar em vigor, a revisão constitucional deve ser aprovada por maioria de dois-terços do Parlamento - mera formalidade numa instância dominada pelo partido Rússia Unida, presidido por Putin.

As próximas eleições presidenciais e legislativas na Rússia estão previstas para 2012 e 2011, respectivamente.

neo/vl/sd

Rusia-política

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG