Uma das publicações médicas com maior prestígio internacional, a The Lancet, acusou o papa Bento 16 de distorcer a ciência em seus comentários sobre a eficiência do uso de preservativo no combate à Aids. Em editorial divulgado nesta sexta-feira, a The Lancet afirma que um recente comentário de Bento 16 - de que as camisinhas exacerbam o problema da Aids - é errado, escandaloso e pode ter consequências devastadoras.

Em recente viagem à África, o papa disse que a "cruel epidemia" deveria ser combatida com a abstinência e a fidelidade e não com o uso de preservativos.

Bento 16 afirmou que a Aids é "uma tragédia que não pode ser superada apenas com dinheiro e que não pode ser superada com a distribuição de preservativos, que podem até aumentar o problema".

Segundo a The Lancet, o papa "distorceu publicamente provas científicas para promover a doutrina católica nesta questão".mDe acordo com a revista, o preservativo masculino é a maneira mais eficiente de reduzir a transmissão sexual do vírus HIV.

"Não está claro se o erro do papa se deve à ignorância ou uma deliberada tentativa de manipular a ciência para apoiar a ideologia católica", diz o editorial.

"Quando qualquer pessoa influente, seja uma figura política ou religiosa, faz uma declaração científica falsa que pode ser devastadora para a saúde de milhões de pessoas, elas devem se retratar ou corrigir o registro público."

A revista afirma que qualquer coisa menor que uma retratação "seria um imenso desserviço ao público e defensores da saúde, inclusive milhares de católicos, que trabalham incansavelmente em vários países para tentar evitar que o HIV se espalhe".


Leia também:

  • NYT:
ao criticar uso de preservativos, papa distorce ciência
  • Papa diz que distribuição de preservativos não controla Aids

  • Leia mais sobre Bento 16

      Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.