críticos no Iraque, diz Obama - Mundo - iG" /

Próximos 18 meses serão críticos no Iraque, diz Obama

BAGDÁ - O presidente americano, Barack Obama, que faz uma visita surpresa ao Iraque, disse nesta terça-feira em Bagdá que os próximos 18 meses podem ser críticos no país, uma vez que grande parte das tropas americanas deve deixar o campo de batalha até agosto de 2010.

Redação com agências internacionais |

"Os 18 próximos meses podem ser um período crítico", declarou Obama. "É hora, para nós, de transferir o controle aos iraquianos. Eles precisam assumir as rédeas de seu país", acrescentou.

O presidente Barack Obama chegou nesta terça-feira a Bagdá para uma visita de apenas um dia, a primeira depois de sua eleição, num momento em que o Iraque vive uma nova onda de violência .

Ao desembarcar, Obama afirmou que sua visita tem como objetivo "expressar seu agradecimento aos soldados" que combatem no local e seu "extraordinário trabalho".


Obama se encontrou com soldados no Iraque / AP

Obama chegou ao país após um giro europeu que concluiu na Turquia, onde tentou relançar as relações dos Estados Unidos com o mundo muçulmano . O presidente desembarcou um pouco depois das 16h30 (10h30 de Brasília) no aeroporto internacional de Bagdá.

Durante a visita, Obama se encontrou com o comandante das forças americanas no Iraque, o general Ray Odierno, e interagiu com soldados norte-americanos.

Antes de deixar a Turquia, Obama afirmou que a política norte-americana em relação ao Iraque deveria ser diferente das ações praticadas pelo ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush.

Esta é a terceira visita de Obama ao Iraque, e a primeira como presidente dos Estados Unidos em exercício. No ano passado, ele esteve no país e se encontrou com comandantes do Exército dos EUA enquanto concorria à presidência contra o republicano John McCain.

Por questões de segurança, a Casa Branca não divulgou a agenda de Obama no país.

Aproximação com o mundo islâmico

Nesta terça-feira, Barack Obama se encontrou com estudantes em Istambul, na Turquia, e pediu que os jovens " coloquem pontes entre o Islã e o Ocidente ".

No encontro, uma tentativa do presidente dos Estados Unidos de estabelecer contato durante sua visita não só com os líderes europeus, mas também com a população, Obama expressou seu "profundo compromisso de estabelecer uma relação baseada no mútuo interesse e no respeito com o mundo muçulmano".

"Não podemos nos estabilizar somente em nossas diferenças", disse o presidente americano, afirmando que é necessário que as duas partes ouçam "mutuamente, com cuidado", e encontrem um terreno comum.

AP

Barack Obama se encontrou com estudantes turcos nesta terça-feira

Barack Obama se encontrou com estudantes turcos nesta terça-feira

Obama também pediu que os muçulmanos ignorem as "caricaturas" que retratam os americanos como ignorantes ou insensíveis, e disse que "este não é o país" que ele ama.

Paz no Oriente Médio

No discurso diante dos jovens, o presidente americano também falou do conflito israelense-palestino, e destacou que acredita que "a paz no Oriente Médio é possível, baseada em dois Estados vizinhos".

Para conseguir isso, ressaltou, são necessárias "a vontade e a coragem políticas" e que ambas as partes "façam compromissos", disse o presidente americano, segundo o qual manter a situação atual "é insustentável".

O presidente americano também respondeu a uma pergunta sobre a mudança climática e reconheceu que a obtenção de um acordo que substitua o Protocolo de Kioto será, embora necessário, "muito difícil", devido a obstáculos políticos e econômicos.


Barack Obama deixou a Turquia nesta terça-feira / AP

Leia também:


Leia mais sobre Barack Obama

* Com AFP, AP e Reuters

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG