Protestos tentam debilitar Revolução Islâmica no Irã, diz Chávez

CARACAS, 21 de juho (Reuters) - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, pediu no domingo respeito ao governo do Irã e disse que os recentes protestos nesse país tentam debilitar a Revolução Islâmica. Pelo menos 10 pessoas foram mortas e uma centena ficou ferida em meio aos protestos por supostas irregularidades nos resultados das eleições presidenciais iranianas, nas quais o líder linha-dura Mahmoud Ahmadinejad foi reeleito.

Reuters |

"Estão procurando manchar o triunfo de Ahmadinejad e com isso debilitar o governo e a Revolução Islâmica. Eu sei que não vão conseguir", disse Chávez em seu programa semanal de televisão, no qual ratificou sua solidariedade com o Irã, país com o qual a Venezuela vem estreitando relações.

"Pedimos ao mundo que respeite o Irã. Estão procurando enterrar a fortaleza da revolução iraniana", acrescentou Chávez.

Na eleição iraniana do dia 12, os dados oficiais indicaram vitória esmagadora de Ahmadinejad -- duro crítico do Ocidente --, fato que desencadeou os maiores protestos e mais violentos distúrbios no país desde a Revolução Islâmica, em 1979, na qual foi deposto o xá, apoiado pelos EUA.

O candidato oposicionista Mirhossein Musavi, segundo colocado, pediu a recontagem dos votos.

Irã e Venezuela mantêm vários projetos conjuntos de fábricas, além de investimentos em parceira.

(Por Fabián Andrés Cambero)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG