A calma retornou à capital da Mongólia, Ulan Bator, depois dos violentos protestos que resultaram na morte de pelo menos cinco pessoas e deixaram mais de 300 feridos, segundo o Ministério da Justiça. A polícia isolou partes da cidade e o presidente Nambaryn Enkhbayar declarou estado de emergência e toque de recolher por quatro dias após os confrontos de terça-feira que resultaram na prisão de centenas de pessoas.

Os manifestantes foram às ruas da cidade para protestar contra o resultado das eleições parlamentares realizadas no último domingo, cujos resultados preliminares indicam a vitória do partido governista.

A oposição acusa o governo de fraude. Manifestantes atearam fogo no escritório central do partido do governo e saquearam prédios estatais.

A Galeria Nacional de Arte também foi incendiada e pinturas foram destruídas, informou a agência de notícias oficial Montsame.

Apuração preliminar
Apurações preliminares apontam o Partido Revolucionário Popular da Mongólia (MPRP, na sigla em inglês) como o vencedor, tendo obtido 45 das 76 cadeiras do Parlamento. O Partido Democrático Da Mongólia, da oposição, teria obtido apenas 20 assentos.

O partido de situação, MPRP, e observadores internacionais afirmam que a eleição foi livre e justa.

Os candidatos da oposição afirmam que houve fraude e conclamaram seus eleitores a protestar.

"Se a maioria das pessoas votou por nós, por que é que então nós perdemos? Nós perdemos porque pessoas corruptas alteraram os resultados", afirmou o líder do Partido Democrático, Tsakhia Elbegdorj.

Milhares de pessoas se reuniram nas ruas da capital logo após a divulgação do resultado preliminar.

Policiais utilizaram gás lacrimogêneo, balas de borracha e jatos d'água para dispersar os manifestantes que enfrentaram as forças com pedras.

"A policia utilizará a força necessária para coibir os criminosos que estão saqueando a propriedade privada e pública" , disse o ministro da Justiça, Tsend Munkhorgil.

Na manhã de quarta-feira algumas áreas da cidade estavam inacessíveis, mas lojas e a rede de transporte público funcionavam normalmente.

Legisladores e oficiais do governo deverão se encontrar ao longo da quarta-feira para discutir a situação de emergência, informou a agência Montsame.

Eleições
A Mongólia conduz eleições a cada quatro anos. A votação de domingo foi a quinta desde que o país adotou reformas políticas e econômicas no início da década de 1990.

Anteriormente, a Mongólia seguia o modelo de governo comunista adotado pelo país vizinho, a então União Soviética.

O Partido Revolucionário Popular da Mongólia (MPRP) governou o país entre 1921 e 1996, quando foi derrotado pelos Democratas. Em 2004, os dois partidos tiveram de fechar uma coalizão, mas a parceria acabou em 2006.

Os partidos rivais têem opiniões antagônicas a respeito de como explorar as reservas de cobre, ouro e carvão que foram recentemente descobertas no país.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.