Protestos deixam ao menos 11 feridos em Buenos Aires

Violentos incidentes após interrupção de serviço de linha ferroviária termina com 34 detidos

EFE |

Violentos incidentes deixaram pelo menos 11 feridos e terminaram com 34 detidos na noite de quinta-feira em Buenos Aires após a interrupção do serviço de uma das principais linhas ferroviárias da cidade. O governo anunciou que denunciará os responsáveis pelo bloqueio das vias do trem, que afetou milhares de pessoas a dois dias do Natal.

Os distúrbios ocorreram após sete horas de interrupção do serviço pelo protesto de um grupo de trabalhadores demitidos, quando a concessionária da estação decidiu fechar suas portas e a polícia impediu os passageiros de entrar no recinto, o de maior afluência de passageiros de toda a Argentina.

AFP
Grupo de jovens arremessa pedras contra polícia antidistúrbio durante manifestação em frente à estação de trem de Constitución, Buenos Aires (23/12/2010)
Grupos violentos, em sua maioria compostos por jovens, atacaram a pedradas a estação, incendiaram uma porta de acesso e saquearam vários estabelecimentos comerciais da região.

A revolta culminou com a intervenção de carros hidrantes da polícia, que teve de recorrer a gás lacrimogêneo para dispersar a violência. Após os incidentes, os responsáveis pelo protesto sindical suspenderam o bloqueio que mantinham nas vias da localidade de Avellaneda, na Província de Buenos Aires.

O secretário de Transportes da Argentina, Juan Pablo Schiavi, anunciou que recorrerá à Justiça para denunciar aqueles que bloquearam as vias, "complicando a vida das pessoas".

O funcionário antecipou que o serviço não será restabelecido enquanto não se verificar o estado das vias para garantir a segurança dos passageiros. A presidente argentina, Cristina Kirchner, que tinha previsto viajar na quinta-feira a Río Gallegos para passar o Natal com seus filhos, decidiu adiar a viagem pelo menos até esta sexta-feira após os incidentes.

O prefeito da cidade de Buenos Aires, Mauricio Macri, repudiou os fatos e lamentou que o governo tenha permitido que um protesto sindical interrompesse o transporte público.

    Leia tudo sobre: argentinaprotestocristina kirchnerferrovia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG