Protesto contra Berlusconi leva milhares às ruas de Roma

ROMA - Dezenas de milhares foram neste sábado às ruas de Roma para protestar contra o governo Silvio Berlusconi e o decreto de lei que o primeiro-ministro vem promovendo para tentar incluir a lista de candidatos de seu partido nas eleições regionais do Lácio.

EFE |

A concentração, convocada pela oposição de centro-esquerda na Praça do Povo, tornou-se um grande protesto contra o que os opositores chamam de "política antidemocrática" de Berlusconi e seu governo. Segundo os organizadores, ela teria reunido 200 mil pessoas. As estimativas da polícia, que costumam ser mais baixas, ainda não estão disponíveis.

AFP
Manifestante antigoverno segura cartaz com foto de Berlusconi

Manifestante antigoverno segura cartaz com foto de Berlusconi


"Essa é uma chamada às armas democráticas", disse o líder do partido opositor Itália dos Valores (IDV), Antonio Di Pietro, ao chegar ao ato, transmitido ao vivo pela TV.

O protesto deste sábado, que conseguiu reunir membros do IDV e da principal legenda de oposição, o Partido Democrata (PD), foi convocado pela rejeição à aprovação, em 5 de março, de um decreto eleitoral.

Nele, o governo Berlusconi apresenta interpretações da legislação eleitoral vigente, orientadas a facilitar a readmissão das listas.

As candidaturas do partido do premiê pela Província de Roma às eleições de 28 e 29 de março haviam sido descartas por terem sido apresentadas fora do prazo.

O partido governante, Povo da Liberdade (PDL), defende que seu emissário ficou retido em uma discussão com um adversário político perante o escritório eleitoral minutos antes de expirar o prazo e denuncia que os próprios funcionários públicos obstaculizaram o processo.

Foi com esse argumento que conseguiu ser mantido o polêmico decreto "interpretativo", que estabelece que o tempo de apresentação de candidaturas está "absolvido" se o delegado encarregado de fazê-lo estiver dentro do prédio administrativo no prazo estabelecido.

Apesar da norma, Berlusconi, que na sexta-feira enfrentou uma greve geral de quatro horas contra sua política econômica, teve de ver as autoridades eleitorais rejeitarem várias vezes seus recursos para incluir a lista nas eleições, que apoia a candidatura de Renata Polverini para governadora do Lácio.

A principal oponente de Polverini, Emma Bonino, candidata da centro-esquerda, esteve presente no ato deste sábado e foi uma das primeiras a subir ao palanque para discursar.

"Não é o momento de desalento, mas de levantamento democrático e civil", disse Bonino, que se coloca como alternativa "ao velho".

Em Bolonha, cerca de mil pessoas, segundo a imprensa local, concentraram-se no centro da cidade em outro movimento contra Berlusconi.

Assista vídeo da greve de sexta-feira: 

Leia mais sobre Itália

    Leia tudo sobre: berlusconiitália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG