Protesto a favor de pena de morte para gays reúne milhares em Uganda

Campala, 16 fev (EFE).- Milhares de pessoas se manifestaram na cidade de Jinja, em Uganda, em apoio ao projeto de lei contra os homossexuais que tramita no Parlamento de Campala, o qual prevê até pena de morte para o homossexualismo agravado.

EFE |

O protesto, organizado pelo Movimento Internacional contra o Homossexualismo em Uganda, reuniu entre 25 mil e 30 mil pessoas a cerca de 75 quilômetros de Campala. Na capital do país, no entanto, a Polícia proibiu uma passeata convocada com o mesmo propósito.

O pastor da Igreja Pentecostal Martin Sempa liderou a manifestação, que foi pacífica e na qual os participantes carregavam cartazes com frases como "Não à sodomia, sim à família" ou "Dizemos não aos homossexuais, o homossexualismo deve ser abolido".

Sempa, líder do movimento contra os gays em Uganda, disse à multidão presente no protesto que tinha recebido uma mensagem da Polícia para que adiasse a manifestação em Campala.

Entretanto, ele afirmou que hoje mesmo se reuniria com altos funcionários da área de segurança para realizar a manifestação amanhã.

O Governo de Campala teme manifestações grandes na cidade devido aos distúrbios ocorridos em ocasiões anteriores.

Kale Kayihura, inspetor geral da Polícia ugandense, afirmou aos jornalistas que "o adiamento da manifestação foi solicitado porque o Governo tem alguns assuntos a especificar sobre o projeto de lei".

O projeto de lei contra os homossexuais foi apresentado há meses no Parlamento ugandense pelo deputado do partido governista David Bahati, que em princípio obteve o apoio do Governo e da maioria parlamentar.

Entre outras medidas, o texto propõe a pena de morte para pessoas consideradas culpadas de violação homossexual ou de "homossexualismo com menores". A lei também agrava as penas para qualquer prática homossexual, que já é ilegal em Uganda.

Organizações de defesa dos direitos Humanos e alguns Governos ocidentais, entre eles os dos Estados Unidos, do Reino Unido e do Canadá, condenaram a iniciativa e ameaçaram impor sanções a Uganda caso o projeto seja aprovado. EFE cm/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG