Roma, 14 jun (EFE).- A Promotoria de Milão já está investigando as chamadas rondas negras, patrulhas de voluntários promovidas pelo partido da extrema direita Movimento Social Italiano-Direita Nacional (MSI-DN), que pretende colaborar com a Polícia no âmbito da nova Lei de Segurança da Itália.

A impresna italiana diz hoje que o promotor Armando Spataro, chefe do escritório antiterrorista da Promotoria de Milão, foi quem abriu a investigação. Porém, ainda não há nenhuma lista de pessoas investigadas.

A notícia da investigação chega depois que, ontem, o MSI-DN apresentou em Milão a Guarda Nacional Italiana, corpo de voluntários que vai patrulhar as ruas com uns uniformes compostos por camisa caqui, boné preto, uma águia imperial romana e calças cinzas.

Estes voluntários, que são já mais de dois mil em toda a Itália, estão dispostos a colaborar com a Polícia no trabalho de vigilância a pé nas ruas.

Em seu site, a Guarda Nacional Italiana, que opera "com o fim de salvaguardar a integridade nacional", explica que estes voluntários estão esperando que a lei seja publicada no Diário Oficial do Estado da Itália para começar a operar. EFE mcs/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.