Promotoria de Haia interroga última testemunha contra Charles Taylor

Haia, 30 jan (EFE).- A Promotoria do Tribunal Especial para Serra Leoa (TESL) interrogou hoje a última testemunha no processo contra o ex-presidente liberiano Charles Taylor, cujo julgamento começou em junho de 2007.

EFE |

A testemunha explicou na sala que ofereceu aos homens de Taylor que cortassem sua outra mão em troca de salvar a vida do filho, algo com que os rebeldes concordaram, segundo a agência holandesa "ANP".

Taylor é acusado de crimes de guerra e de lesa-humanidade por estimular o conflito civil sofrido por Serra Leoa entre 1991 e 2002 e que deixou cerca de 50 mil mortos.

Presidente da Libéria entre 1997 e 2003, Taylor é acusado, entre outras coisas, do assassinato e mutilação de civis, uso de mulheres e meninas como escravas sexuais e recrutamento forçado de crianças e adultos na guerra em Serra Leoa.

O julgamento, que deve terminar no final deste ano, é realizado nas instalações do Tribunal Penal Internacional de Haia, a onde o TESL se transferiu por razões de segurança para realizar o processo.

EFE mr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG