Berlim, 29 out (EFE).- A Promotoria alemã pediu hoje prisão perpétua para o libanês Youssef al Hajj Dib, de 24 anos, principal acusado no julgamento realizado em Düsseldorf pelo atentado terrorista fracassado contra dois trens, em julho de 2006.

Segundo a Promotoria, Hajj Dib e seu cúmplice, Jihad Hamah, que cumpre pena no Líbano, fizeram "todo o possível para matar o máximo de pessoas".

O acusado confessou durante o processo ter construído dois artefatos explosivos e colocado um deles em um dos trens.

Os artefatos não explodiram somente por causa de uma "falha técnica", disse a Promotoria, para quem ambos os detidos prepararam minuciosamente o plano.

A defesa do réu insistiu que a idéia não era provocar um massacre, já que as bombas não estavam realmente preparadas para explodir, e que só se tratava de "dar um toque de aviso".

Para a Promotoria, os dois prepararam os atentados em resposta à publicação das caricaturas do profeta Maomé em jornais dinamarqueses.

Hah Dib já foi condenado a prisão perpétua em um julgamento realizado à revelia em seu país.

A sentença da audiência de Düsseldorf está prevista para 18 de novembro. EFE gc/rb/plc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.