Promotor iraniano ameaça com pena de morte em caso de violência

TEERÃ (Reuters) - Um promotor regional iraniano alertou que alguns elementos envolvidos nas revoltas pós-eleições no país podem enfrentar a pena de morte segundo a lei islâmica, informou nesta quarta-feira uma agência de notícias do país. Mohammadreza Habibi, promotor-geral da Província de Isfahan, afirmou que os elementos estavam sendo controlados de fora do Irã e exortou-os a interromper as atividades criminais, disse a agência de notícias Fars.

Reuters |

"Alertamos a alguns elementos controlados por estrangeiros que tentam arruinar a segurança interna ao incitar indivíduos a destruir e incendiar que o código penal islâmico para tais indivíduos que promovem guerra contra Deus é a execução", afirmou Habibi.

"Então, antes de serem feridos pela fúria da lei, eles devem voltar aos braços da nação e evitar medidas e atividades criminais", disse.

Não ficou claro se o alerta vale apenas para Isfahan ou para o país todo.

(Reportagem de Hossein Jaseb)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG