Promotor boliviano manda deter irmã de opositor por fraude

La Paz, 16 out (EFE) - Um promotor de La Paz ordenou hoje a detenção de Tatiana Marinkovic, irmã do empresário Branko Marinkovic, destacado opositor autonomista ao presidente boliviano, Evo Morales.

EFE |

Ela é implicada em um caso de suposta fraude tributária.

O promotor anticorrupção Rímel Choquehuanca informou à imprensa que ordenou a detenção de Tatiana Marinkovic como representante da empresa IOL, depois que não compareceu para depor por uma suposta cobrança irregular de devoluções de impostos.

Choquehuanca também disse que, dentro do mesmo caso, no qual se investiga uma suposta cobrança irregular de 20 milhões de bolivianos (US$ 2,8 milhões) em conceito de devoluções de impostos, Branko Marinkovic também foi citado a declarar em 22 de outubro.

A vice-ministra de Luta contra a Corrupção, Nardy Suxo, segundo a rádio "Erbol", disse que não se trata de uma perseguição política, já que a investigação do caso começou há mais de um ano, quando Branko Marinkovic não tinha a notoriedade de hoje.

Além disso, Suxo assegurou que está amplamente comprovado que a empresa de Marinkovic forjou documentação e faturas para obter as devoluções impositivas às quais os exportadores na Bolívia têm direito.

Branko Marinkovic, que está nos Estados Unidos dentro de uma viagem com a qual procura defender no exterior a causa da oposição autonomista na Bolívia, afirmou que a acusação se inscreve em um plano de "amedrontamento" do Governo, segundo o jornal "El Deber".

O empresário disse que a ordem de detenção emitida contra sua irmã e sua convocação para depor pretendem que interrompa sua viagem para evitar que continue denunciando as supostas irregularidades cometidas pelo presidente Morales.

Marinkovic, presidente do Comitê Cívico de Santa Cruz (leste), é um dos mais destacados representantes dos movimentos opositores que reivindicam ao Governo um sistema de descentralização autônoma e que rejeitam plenamente o projeto de refundação constitucional que impulsiona o líder. EFE az/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG