Projeto no Alasca opõe Obama e McCain por desperdício de dinheiro público

Washington, 8 set (EFE) - Um projeto no Alasca que acabou representando o desperdício de dinheiro público e ao qual a companheira de chapa do republicano John McCain, Sarah Palin, disse ter se oposto, se transformou hoje em um novo motivo de choque com o candidato democrata, Barack Obama. Um novo anúncio de John McCain, no qual ele e Palin, governadora do Alasca, se apresentam como inconformistas que lutam contra os poderes estabelecidos por ela ter rejeitado a construção de uma ponte que fazia parte do projeto e que nunca chegou a ser erguido, colocou em pé de guerra a campanha do senador por Illinois. A infra-estrutura, orçada em US$ 400 milhões, uniria a localidade de Ketchikan com uma ilha de 50 habitantes. A campanha de Obama disse hoje em comunicado que é mentira a afirmação de que Palin se opôs à ponte a lugar algum. Palin se opôs ao projeto em 2007, mas havia apoiado a iniciativa no ano anterior, quando concorria pelo posto de governadora. Ela mudou de idéia depois que a proposta causou polêmica e após os fundos federais destinados à obra serem alocados a outros projetos. A disputa envolvendo o projeto se inscreve dentro de uma polêmica mais ampla que gira em torno dos projetos especiais que os legisladores respaldam para seus respectivos distritos eleitorais ou estados. Essas despesas são freqüentemente supérfluas e criticadas pela opinião pública por serem consideradas uma amostra do desperdício que aumentou o déficit público. ...

EFE |

Já o Alasca requisitou este ano fundos federais para projetos especiais no valor de US$ 198 milhões, ao redor de US$ 295 para cada um de seus habitantes.

Palin reduziu as solicitações de dinheiro federal, mas, mesmo assim, o Alasca ainda é, de longe, o estado que consome mais fundos federais per capita para projetos especiais.

Tanto democratas quanto republicanos querem se apresentar este ano como agentes de mudança dispostos a acabar com as políticas corruptas de Washington e a fazer frente às despesas desmedidas. EFE tb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG