Nova York, 3 mai (EFE). - O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton anunciou nesta sexta-feira, dia 2 de maio, que seu projeto filantrópico Iniciativa Global Clinton (IGC) promoveu desde sua criação, em 2005, cerca de mil compromissos de ações para melhorar a vida de 200 milhões de pessoas em mais de cem países.

"Mais de 200 milhões de vidas serão diretamente beneficiadas pelos compromissos contraídos por colaboradores do CGI, incluindo um terço dos chefes de estado de todo o mundo, assim como líderes empresariais, ONGs, acadêmicos e grandes pensadores", disse Clinton em Nova York.

Em um teatro de Manhattan, o ex-presidente relembrou as metas alcançadas pela IGC em seus três anos de atividade e detalhou que, até o momento, participaram 82 antigos e atuais chefes de estado do mundo.

"Conseguimos muito em apenas três anos. É um verdadeiro testemunho do que se pode conseguir quando os setores privado e público põem suas idéias em andamento e destinam seus recursos para onde mais se necessita", assegurou.

Um dos compromissos mais notórios que fazem parte da iniciativa do ex-presidente Clinton é o chamado "Luz para um milhão de vidas", promovido por Rajendra Pachauri, presidente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU e ganhador do Nobel da Paz 2007 junto com Al Gore.

O projeto consiste em levar luz elétrica a um milhão de pessoas na Índia através da substituição de lâmpadas de querosene e parafina por fontes de energia solar.

"Levar luz elétrica a todos os lares do mundo requereria um investimento de US$ 20 bilhões, uma quantia que pode ser reduzida graças às economias de escala e o investimento em inovação tecnológica", assegurou Pachauri diante do mesmo auditório.

Segundo seus cálculos, "levar luz elétrica a um bilhão de pessoas, 200 mil lares, teria um custo equivalente ao de dois meses da Guerra do Iraque".

John Partridge, diretor de operações da Visa, a maior rede de cartões de crédito do mundo, anunciou um novo compromisso com a IGC, de consiste em proporcionar serviços financeiros básicos a pelo menos dez milhões de pessoas no mundo.

Essa iniciativa, que será feita em parceria com a Oxfam América, é o primeiro programa de responsabilidade corporativa da companhia, que acontece precisamente no mesmo ano em que a Visa começou a ser cotada em bolsa, após a maior oferta pública de venda de ações na história dos Estados Unidos.

Como parte desse programa, a Visa também se compromete em manter os máximos padrões éticos em suas práticas empresariais e a trabalhar com outras organizações humanitárias com experiência no âmbito da assistência a comunidades vulneráveis.

Martín Burt, da Fundação Paraguaia, também informou na sexta-feira, seu compromisso de dar formação empresarial a jovens desfavorecidos de áreas rurais no mundo, para ajudá-los a empreender negócios próprios e combater assim a pobreza de suas comunidades.

Como parte desse compromisso, a Fundação Paraguaia organizou recentemente a primeira Conferência Internacional de Escolas Auto-suficientes, onde 140 pessoas de 20 países buscaram fórmulas criativas para promover esse tipo de formação.

Em dezembro, está prevista uma reunião em Hong Kong com o intuito de que os políticos e as empresas asiáticas também se envolvam na IGC.

Durante seu discurso, o ex-presidente encorajou "todos que desejem se incorporar à iniciativa através de MyCommitment.org, onde qualquer um pode apresentar seu compromisso, sem requerimento de investimento mínimo".

"Só é necessário que proponha uma idéia prática e que a leve adiante. Esta é a essência do projeto e isto é o que pode ajudar a criar um mundo melhor", defendeu Clinton, concretizando que desde seu lançamento em setembro de 2007, pessoas de mais de 180 países se cadastraram via web e se comprometeram com 96.300 horas de serviços voluntários para ajudar os demais. EFE mgl/iw/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.