Programa espacial dos EUA não é viável e seu futuro está na cooperação internacional

Ameaçado pelas limitações orçamentárias, o futuro dos voos espaciais americanos com tripulantes pode depender de uma maior cooperação internacional e de investimentos do setor privado.

AFP |

Em relatório entregue esta semana à Casa Branca, a comissão de especialistas nomeada pelo presidente Barack Obama constatou que "o programa atual dos voos tripulados dos Estados Unidos - chamado Constellation - não pode ser realizado com os fundos disponíveis".

Lançado em 2004 pelo ex-presidente George W. Bush, o Constellation prevê um retorno dos americanos à Lua por volta de 2020, antes de expedições com destino a Marte e o restante do sistema solar.

A Agência espacial americana (Nasa) tem um orçamento anual de 18 bilhões de dólares. Para o comitê, uma verba suplementar de três bilhões de dólares por ano é indispensável para conduzir um programa de exploração fora de órbita que apresente algum interesse.

"Qualquer que seja o programa espacial definido, ele deverá ser acompanhado dos fundos necessários a sua execução", avisou a comissão em seu relatório, cujas conclusões já haviam sido amplamente divulgadas.

O comitê listou várias opções para arrecadar estes fundos, entre as quais a cooperação internacional.

"A exploração espacial se tornou uma atividade globalizada. Muitos países têm programas especiais, e a soma de seus orçamentos anuais respectivos é equivalente ao da Nasa", argumentou.

"Um compromisso coletivo dos Estados Unidos com parceiros internacionais de uma forma adaptada ao mundo multipolar de hoje pode reforçar as relações geopolíticas, levantar fundos e fortalecer as atividades de exploração", explicaram os dez membros da comissão presidida por Norman Augustine, ex-presidente do gigante aeroespacial Lockheed Martin.

Os especialistas também observaram que o setor privado está crescendo nas atividades espaciais.

"Se conseguíssemos criar no setor espacial um potencial de atividades interessante para as empresas privadas, talvez possamos reduzir os custos para a Nasa", comentaram, referindo-se a companhias como a Space X, que está desenvolvendo um lançador para transportar astronautas e frete à Estação Espacial Internacional (ISS).

"Se depois de terem elaborado um programa de exploração espacial, fomentado alianças com parceiros estrangeiros e criado um potencial de desenvolvimento comercial os Estados Unidos não conseguirem financiar suas ambições espaciais, o país terá que se conformar com metas mais modestas", avisaram os membros da comissão.

De acordo com John Logson, ex-diretor do Space Policy Institute na Universidade George Washington, "o governo de Obama é mais aberto à ideia de uma participação ampliada na exploração espacial".

"Entretanto, resta saber se a Europa e o Japão querem desempenhar um papel mais importante e investir mais dinheiro" nestas atividades, acrescentou o especialista, em entrevista à AFP.

js/yw/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG