Um dos professores de Umar Faruk Abdulmutallab, o nigeriano que tentou explodir um avião americano em pleno voo no Natal, expressou sua tristeza pelo destino do ex-aluno em uma carta publicada em um jornal dos Emirados Árabes nesta segunda-feira, na qual enfatiza que o estudante era dotado e motivado.

Na carta aberta publicada no The National, Chris Edmunds afirma que conheceu Abdulmutallab quando era diretor adjunto da escola britânica de Lomé, Togo, entre 2000 e 2002.

O professor afirma ter sentido tristeza e pena ao ficar sabendo que o ex-aluno foi preso.

"Ele era um estudante dotado, motivado e que sabia se expressar. Tinha as mesmas habilidades quando jogava futebol ou quando discutia sobre a atualidade', escreveu.

"Estou certo que, para a grande satisfação de seus professores e de seus parentes, estava se convertendo num jovem responsável, atento e confiante (...), e representava a esperança no futuro", acrescentou.

Contou que, depois dos atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, a escola em que trabalhava organizou uma reunião de orações.

"Abdulmutallab estava lá e não sei se orou ou chorou, mas certamente compreendeu a mensagem que tentamos passar naquele dia, sobre a necessidade de cada qual aprender a conviver com os outros", acrescentou.

Umar Farouk Abdulmutallab, um nigeriano de 23 anos, foi acusado formalmente pela justiça dos Estados Unidos neste sábado depois de uma tentativa frustrada de explodir um avião americano que ia de Amsterdã, na Holanda, para Detroit (norte dos EUA) no dia 25.

str/cn

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.