Bogotá, 9 out (EFE) - A produção de cocaína na Colômbia se manteve acima das 600 toneladas em 2007, embora seu consumo nos Estados Unidos tenha caído 19% e o preço aumentado de forma significativa, disse hoje em Bogotá o responsável pela política antidrogas americano, John Walters. Ele se reuniu na capital colombiana com o presidente Álvaro Uribe e membros das Forças Militares para analisar a estratégia contra as drogas. De acordo com Walters, de 2001, quando foi registrado um recorde de 900 toneladas anuais produzidas, até 2007, houve uma redução de 24%, enquanto entre o ano passado e 2006 a variação não foi significativa. Além disso, os números entre 2001 e 2007 dizem que há uma redução de 54% no rendimento da coca que sai da Colômbia. Muita gente quer que esses números mudem drasticamente, e o que se vê nesta informação é evidência dessa redução dramática, disse Walters em entrevista coletiva.

O funcionário americano explicou que a pressão combinada entre a fumigação, a erradicação manual de folha de coca e as apreensões permitiram que as áreas cultiváveis se tornassem menos produtivas, ou seja, reduziu-se a pureza da cocaína que sai da Colômbia, enquanto seu preço aumentou nos Estados Unidos.

Segundo Walters, houve uma redução de 19% no consumo de cocaína nos EUA entre 2006 e 2007, de acordo com os "resultados dos testes usados em locais de trabalho" feitos por uma companhia contratada pelo Governo.

"Os dados que nos forneceram e não foram divulgados ainda é que a tendência segue descendo ainda mais rapidamente e, por conseguinte, a disponibilidade de cocaína nos EUA se reflete tanto no preço e na pureza", ressaltou.

De acordo com Walters, o consumo entre os jovens entre os 18 e os 25 anos, "os maiores consumidores", baixou 23% no período analisado.

O funcionário americano destacou que os golpes dado ao tráfico de drogas também ajudaram as guerrilhas e os paramilitares colombianos, que se financiavam desse negócio lucrativo, comecem a ter dificuldades para adquirir armas.

A ONU informou em seu relatório anual, apresentado em julho, que a Colômbia registrou um aumento de 27% nas sementeiras de folha de coca, ao passar de 78 mil hectares em 2006 a 99 mil no ano passado.

EFE fer/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.