Procuradorias alemãs investigam o assassinato de Mabhouh

Berlim, 27 fev (EFE).- A Promotoria de Colônia e a Promotoria Federal alemã abriram investigações pelo homicídio em Dubai do líder do Hamas Mahmoud al-Mabhouh, no qual os assassinos utilizaram passaportes alemães.

EFE |

A investigação começou justamente por isso, pelo uso ilegal de passaportes alemães, como informou hoje o semanário "Der Spiegel".

Segundo o jornal, os serviços secretos alemães, o BND, afirmaram que o crime teria sido planejado e executado em 19 de janeiro, por agentes do serviço de espionagem exterior israelense Mossad.

A mesma publicação revela que os supostos agentes israelenses solicitaram em 2009 um passaporte alemão com o nome de Michael Bodenheimer ao Escritório Federal Ao administrativo de Colônia, o homem alegou a origem germânica de seus pais que sofreram a perseguição pelo nazismo para retirar o documento.

O suposto agente realizou os trâmites administrativos para obter a nacionalidade alemã e aceder ao passaporte através de um escritório de advogados.

Aparentemente, o falso Bodenheimer utilizou pela primeira vez o documento de identificação internacional em 8 de novembro de 2009 para voar de Frankfurt a Dubai.

Os serviços secretos alemães consideram que ele realizou a viagem para testar o passaporte ou para uma tentativa fracassada de assassinar a Mahmoud al-Mabhouh. EFE jcb/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG