Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Procurador-geral do Paquistão renuncia após saída de Musharraf da presidência

Islamabad, 20 ago (EFE).- O procurador-geral do Estado do Paquistão, Malik Abdul Qayyum, considerado um aliado de Pervez Musharraf, apresentou hoje formalmente sua renúncia dois dias após o ex-presidente renunciar, informou uma fonte judicial.

EFE |

Qayyum, a quem Musharraf designou no posto no ano passado, tinha comunicado meses antes ao ex-general sua intenção de pedir demissão, mas sua renúncia não foi aceita.

Seu sucessor no cargo será o advogado do Tribunal Supremo Sardar Latif Khosa, pessoa "que satisfaz aos membros da coalizão governamental", declarou à Agência Efe o presidente do colégio de advogados de Rawalpindi, Sardar Asmatullah.

"Qayyum estava vinculado a Musharraf e sua saída estava prevista.

Tinha uma relação muito ruim com o novo Governo. Sua reputação ao lado de Musharraf caiu muito e levou o país a cotas muito baixas", declarou Asmatullah.

O ex-procurador-geral se viu envolvido em várias polêmicas, a última delas a gravação de uma conversa divulgada pela Human Rights Watch na qual é possível escutá-lo dizendo a seu interlocutor que tudo estava acertado para que houvesse fraude no pleito de fevereiro, algo que ele negou.

"Qayyum foi um colaborador próximo de Musharraf", declarou Asmatullah, que afirmou que o ex-procurador-geral aconselhou o ex-presidente a declarar o estado de exceção, em novembro de 2007, e se pôs a seu lado quando destituiu os magistrados do Supremo.

Qayyum também defendeu Musharraf em 2007 diante da Corte Suprema sobre a validade de seu duplo mandato como presidente e chefe do Exército.

Segundo a imprensa local, uma de suas últimas ajudas a Musharraf foi advertir a ele, diante da iminência do processo de impeachment contra si, que não tinha possibilidades de permanecer na Presidência através de um recurso perante a Corte Suprema.

"Sua saída foi recebida com muita alegria por todo o coletivo de advogados, juízes e pelas pessoas do Paquistão em sua grande maioria", declarou Asmatullah. EFE igb/fal

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG