Processo para libertar reféns na Colômbia se destrava

BOGOTÁ (Reuters) - A maior guerrilha da Colômbia aceitou um protocolo com garantias de segurança por parte do governo para a anunciada libertação de dois militares sequestrados, em um processo que deve começar no sábado, disse na terça-feira a senadora que lidera a missão humanitária. Apesar de o governo e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha terem firmado há mais de uma semana o protocolo de segurança, a demora na resposta das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) mantinha o processo paralisado.

Reuters |

"Estou muito feliz, já estamos na reta final para as libertações. Aceitado o protocolo, no sábado saímos em busca deles a partir de Villavicencio", anunciou a senadora do Partido Liberal Piedad Córdoba, por meio da rede social Twitter.

A dirigente política, que está à frente da missão humanitária que receberá o suboficial Pablo Emilio Moncayo, o soldado Josué Daniel Calvo e os restos do oficial de polícia Julián Ernesto Guevara, morto no cativeiro, viajará para o Brasil, país que emprestará os helicópteros e as tripulações para receber os reféns no meio da selva.

"Nunca pensei que fracassaria. Estávamos numa espera razoável da aceitação dos protocolos de segurança pelas Farc", acrescentou Córdoba.

O governo da Colômbia comprometeu-se a suspender as operações militares na região onde será feita a entrega, incluindo os sobrevôos de aeronaves das Forças Armadas.

A guerrilha exigiu o protocolo para evitar dificuldades como as ocorridas em fevereiro de 2009 com a libertação de quatro efetivos das Forças Armadas, operação que se atrasou e esteve à beira do fracasso em razão dos sobrevôos de aviões militares na região da entrega.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG