Problemas nos trens do Eurostar detêm centenas de passageiros

Por Avril Ormsby LONDRES (Reuters) - Uma enxurrada de frustrados passageiros do trem Eurostar lotou estações ferroviárias em Londres e Paris na segunda-feira, desesperados por informações sobre como voltar para casa até o Natal.

Reuters |

Philippe de Vandiere, que deveria ter viajado no domingo, descobriu que todos os voos para Paris, onde vive, estão lotados até quinta-feira, quando os preços dos voos só de ida triplicaram, para 300 libras (500 dólares).

O corretor de 25 anos já tinha enfrentado problemas com o Eurostar antes, mas disse: "Este foi o pior de todos, e ainda por cima logo antes do Natal".

Sonia Van Waelam, de 49 anos, de Bruxelas, estava detida na estação internacional St. Pancras, em Londres. Ela deveria ter voltado para casa no domingo para estar de volta ao trabalho no Ministério do Interior na segunda-feira.

"A gente se divertiu em Londres, mas já cansei", disse ela à Reuters. "Espero que consigamos voltar até o Natal, senão vou ter que atravessar o Canal da Mancha a nado".

Os trens estão suspensos há três dias, depois de não conseguirem enfrentar o frio extremo do inverno. A Eurostar disse que espera que o serviço seja retomado parcialmente na terça-feira.

Estão sendo feitas modificações nos escudos anti-neve das locomotivas dos trens, depois que seis composições, carregando 2.500 passageiros, sofreram panes a meio caminho, cinco deles no túnel sob o Canal da Mancha que liga a Grã-Bretanha à França.

Também foram afetados passageiros que viajavam no Eurostar entre Londres e Bruxelas.

O arquiteto Jan Den Teuling, de 60 anos, deveria viajar a Bruxelas esta semana, mas disse que seu tempo remanescente em Londres será passado fazendo arranjos alternativos para viajar, em lugar de visitar as atrações turísticas inglesas.

"Hoje tínhamos previsto conhecer a Abadia de Westminster, alguns museus e Notting Hill, mas terei que passar o tempo tentando reservar assentos em um avião", disse ele. "Este é um dia decepcionante para mim. Não estou podendo curtir minhas férias".

Em Paris, Matthew Schulte, de 22 anos, de Melbourne, Austrália, contou que estava no trem no sábado quando teve que deixá-lo com sua amiga.

"Íamos passar apenas quatro dias aqui, mas agora é possível que virem duas semanas", disse ele.

O londrino Daniel Hill, de 24 anos, deveria ter deixado Paris na segunda-feira.

"Se o trem não funciona, o trem não funciona, mas por que não poderiam ter construído um trem que funciona no frio?", disse ele.

(Reportagem adicional de James Regan em Paris)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG