Probióticos protegem enfermos da pneumonia, diz estudo

Uma pesquisa sueca afirmou que probióticos podem proteger pacientes em estados clínicos graves da pneumonia. Segundo o estudo do Hospital da Universidade de Lund, Suécia, as bactérias benéficas à saúde podem impedir que micróbios perigosos colonizem as vias respiratórias de pacientes gravemente doentes e que respiram com a ajuda de aparelhos.

BBC Brasil |

A solução probiótica teve o mesmo bom desempenho que os antissépticos normais, usados para prevenir a contaminação por bactérias causadoras de pneumonia.

E, por serem mais naturais, os probióticos apresentaram menos efeitos colaterais.

As bactérias probióticas Lactobacillus plantarum 299 são normalmente encontradas na saliva e produtos fermentados.

Alergias
A pneumonia é um problema comum em pacientes que precisam da ajuda de aparelhos para respirar. Ela ocorre quando bactérias prejudiciais presentes na boca, garganta ou tubo respiratório são inaladas pelo pulmão.

Esfregar o antisséptico clorexidina na boca dos pacientes é a recomendação mais comum para reduzir o risco deste tipo de pneumonia em pacientes em estado grave e que precisam da ajuda de aparelhos para respirar.

É raro, mas alguns pacientes são alérgicos à clorexidina. Também existe um risco pequeno de a bactéria causadora de pneumonia desenvolver resistência à clorexidina.

A equipe de cientistas suecos liderada por Bengt Klarin comparou o tratamento com o probiótico e com a clorexidina em 50 pacientes em estado grave.

Exames revelaram que os dois tratamentos podem ser eficazes na prevenção da proliferação de bactérias potencialmente prejudiciais na boca e garganta.

E um probiótico que adere à boca por dentro poderá funcionar todo o tempo, ao contrário dos antissépticos, que perdem o efeito depois de algumas horas.

Os cientistas suecos afirmam que ainda são necessárias mais pesquisas para investigar a possibilidade do uso do probiótico nestas ocasiões.

O estudo sueco foi publicado na revista especializada Critical Care.

"É uma idéia plausível. Mas precisamos de testes maiores que se concentrem em resultados clínicos que provem que o tratamento é eficaz e barato", afirmou Bob Marsterton, diretor da Sociedade Britânica para Quimioterapia Antimicrobiana.

Para Marsterton a clorexidina ainda é um tratamento altamente eficaz, barato e disponível.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG