O príncipe Charles, que comemora seus 60 anos nesta sexta-feira, nunca foi tão popular, destacou em entrevista à AFP uma de suas biógrafas, Penny Junor, dizendo que o público o perdoou pelo episódio doloroso do divórcio de Diana.

"Ele reconstruiu sua imagem de uma forma admirável. Ele está mais popular do que nunca", declarou Junor.

O príncipe de Galles foi alvo de críticas nos anos que precederam e seguiram seu divórcio da princesa Diana, em 1996. Ele foi acusado de ter negligenciado a esposa depressiva em detrimento de Camilla Parker Bowles, com quem ele se casaria mais tarde (em 2005).

Mas "o público o perdoou", declarou a biógrafa. "Eles vêem os príncipes Harry e William (filho de Charles) e reconhecem nele um ótimo pai", comentou.

"Os filhos deles poderiam ter-se tornado rebeldes, com a separação, o divórcio e depois com a morte da mãe, em 1997 em Paris. William tem hoje 26 anos, e Harry 24, continuou.

"À sua maneira, ele amava Diana e continuo acreditando que não corria atrás da Camilla durante os anos em que passou com Diana... Ele tinha realmente vontade que o casamento funcionasse e o divórcio o entristeceu muito. Ele se sente responsável pelo fracasso do casamento: não somente fracassou com Diana mas também com o país e a rainha Elizabeth II, sua mãe", explicou Junor.

Com Camilla a seu lado, o príncipe é, no entanto, "um homem muito feliz". "Eles são velhos amigos e ela é cheia de bondade para com ele, ela se interessa por ele como nunca Diana se interessou. Antes, ela estava muito ocupada com seus próprios problemas para dar apoio ao príncipe. Ele não está mais sozinho agora".

"Há 40 anos, ele se prepara para ser rei", reconhece a biógrafa, mas esta longa espera não o impacienta além da conta, disse. "Não acho que ele esteja frustrado, que isto o incomode, o fato de ser candidato ao trono. Ele está chegando numa idade na qual inúmeras pessoas estão começando a pensar na aposentadoria, mas ainda não encerrou sua carreira oficial... mas o momento em que vai se tornar rei será também o momento em que sua mãe morrerá, então é uma coisa que ele quer sem querer". A rainha tem hoje 82 anos.

"Ele pensa ainda que tem muita coisa a fazer como príncipe", acrescentou Junor, referindo-se às inúmeras causas humanitárias e ecológicas que ele defende.

Quando o momento chegar, ele será um "excelente rei", declarou, "porque se interessa realmente pela pessoas. Demonstrou isso através de todas as organizações de caridade que criou, que cobrem todos os domínios aos quais ele acredita poder ajudar: a pobreza, a saúde, a educação, a habitação.... Ele passou 40 anos tentando ajudar as pessoas. Ele será um rei bom", acrescentou.

lv/lm/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.