Roma, 27 abr (EFE).- O príncipe Charles da Inglaterra advertiu hoje em discurso na Câmara dos Deputados italiana, em Roma, que restam apenas 99 meses de luta contra a mudança climática antes que se chegue a um ponto irreversível.

Charles, que visita Roma junto a sua mulher, Camilla, pediu a rejeição "do modelo convencional" e a criação de um novo sistema de valores para "resolver o problema da mudança climática".

O príncipe afirmou que antes do fim do ano "a família das nações do mundo" terá que "acordar um modo para deter ou para reverter a tendência do crescimento das emissões de CO2".

"À alta do nível do mar e à degradação das águas doces se somarão os efeitos de fenômenos climáticos extremos que comportarão danos ao território e terão impacto negativo sobre os cultivos", advertiu o príncipe no discurso, que durou mais de 30 minutos.

Por isso, o príncipe Charles insistiu na necessidade de um "acordo sobre a mudança climática, que seja verdadeiramente global e que se baseie na confiança".

"Haverá decisões difíceis de ser tomadas, especialmente para as indústrias que têm um alto consumo energético, mas se quisermos deixar a nossos filhos um mundo habitável, temos que atuar imediatamente", concluiu.

Por outro lado, Charles comentou que tinha se surpreendido "favoravelmente" com a oferta recebida do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, de discutir durante as reuniões do Grupo dos Oito (G8, que reúne os países mais industrializados e a Rússia) o tema do desmatamento.

Charles também se referiu durante seu discurso às vítimas do terremoto que em 6 de abril devastou a região de Abruzzo, no centro da Itália, ao assegurar que estão presentes em seus "pensamentos e em suas rezas".

O presidente da Câmara, Gianfranco Fini, presenteou o príncipe Charles com um mapa de Gales do século XVIII, enquanto o herdeiro ao trono britânico lhe deu um abridor de cartas de prata.

Hoje, Charles e sua esposa também foram recebidos pelo papa Bento XVI no Vaticano, onde conversaram sobre a defesa do meio ambiente e a importância do diálogo intercultural e inter-religioso.

Amanhã termina a estadia de Charles e sua mulher em Roma, com uma reunião do príncipe e com a patronal italiana Confindustria sobre o papel das empresas na luta contra a mudança climática. EFE fab/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.