Principais pontos do G20

O G20 decidiu nesta quarta-feira fechar o cerco aos paraísos fiscais e atuar com mais firmeza na regulação financeira global. No total, a injeção de recursos para impulsionar a economia mundial somará US$ 5 trilhões até 2010. Seguem os principais pontos e frases constantes do comunicado final do G20 divulgado nesta quinta-feira, ao final do encontro realizado em Londres entre os líderes desse grupo que reúne países ricos e emergentes.

AFP |

"Enfrentamos o maior desafio dos tempos modernos para a economia mundial. Uma crise que se agravou desde o nosso último encontro, afetando as vidas de mulheres, de homens, e de crianças em todos os países e frente à qual todos os países devem se unir para resolvê-la. Uma crise mundial exige uma solução mundial".

"Partimos do princípio de que a prosperidade é indivisível e que o crescimento, para ser durável, deve ser compartilhado (...)".

"Estamos comprometidos hoje a fazer tudo o que for necessário para:

- restabelecer a confiança, o crescimento e o emprego;

- reparar o sistema financeiro para restabelecer o crédito;

- reforçar a regulação financeira para manter a confiança;

- financiar e reformar nossas instituições financeiras para superar esta crise e evitar outras.

- promover o comércio mundial e o investimento, e rejeitar o protecionismo

- promover uma retomada ecológica e sustentável"

O G20 apresentou um programa de 1,1 trilhão de dólares destinado a estimular o crédito, o crescimento e o emprego, passando principalmente por um aumento para 750 bilhões de dólares dos recursos do FMI, por uma injeção de 250 bilhões de dólares no comércio, e pelas vendas do ouro de reserva do FMI para ajudar as nações mais pobres.

Restaurar o crescimento e o emprego

O G20 estima em 5 trilhões de dólares até o final de 2010 o montante das somas injetadas na economia mundial e "se compromete a fazer o esforço orçamentário necessário para restaurar o crescimento".

Compromete-se em "fazer o necessário para restaurar um fluxo de crédito normal no sistema financeiro e assegurar que as instituições de importância sistêmica permaneçam saudáveis".

Compromete-se a não desvalorizar suas moedas com fins de concorrência.

Reforço da supervisão financeira e da regulação

"A confiança não será restaurada enquanto não tivermos restaurado a crença em nosso sistema financeiro". O G20 vai reforçar a coerência das regulamentações nacionais e os critérios financeiros internacionais, sobretudo, para "desencorajar tomadas de riscos excessivas". Adotará novos princípios "exigentes" sobre a remuneração dos banqueiros.

Vai "agir" contra as jurisdições não-cooperativas, entre elas os paraísos fiscais. "A era do segredo bancário acabou".

Reforço das instituições financeiras mundiais

O G20 quer "reformar o mandato, o campo de ação e a governança" de instituições como o FMI ou o Banco Mundial, e promete concluir até janeiro de 2011 uma revisão das cotas do FMI. Os dirigentes dessas instituições serão designados de maneira "aberta, transparente e baseada no mérito"

Resistir ao protecionismo

O G20 reafirma que "impedirá o surgimento de novas barreiras" protecionistas até o final de 2010, e se mantém comprometido em "obter uma conclusão ambiciosa e equilibrada" da Rodada de Doha

Retomada justa e duradoura para todos

O G20 reconhece "o impacto desproporcional sobre as pessoas vulneráveis nos países mais pobres, a dimensão humana desta crise".

od/dm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG