Primeiro-ministro do Japão discute polêmica base americana

Tóquio, 4 mai (EFE).- O primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, viajou nesta terça-feira a Okinawa (sudoeste do país) para discutir com as autoridades locais a mudança de uma polêmica base dos EUA nessa ilha.

EFE |

Tóquio, 4 mai (EFE).- O primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, viajou nesta terça-feira a Okinawa (sudoeste do país) para discutir com as autoridades locais a mudança de uma polêmica base dos EUA nessa ilha. A mudança da base aérea de Futenma, em Ginowan (sul de Okinawa), é um dos maiores problemas do Governo de Hatoyama, que se comprometeu a resolver o assunto antes do dia 31 de maio. Segundo a agência de notícias "Kyodo", durante a visita, Hatoyama abordará a questão com o governador de Okinawa, Hirokazu Nakaima, e o prefeito de Nago, Susumu Inamine, localidade onde o Governo estuda recolocar a base. Ambos rejeitam a permanência da base na ilha. Segundo um pacto de 2006 entre Tóquio e Washington, a base de Futenma deveria ser transferida antes de 2014 de Ginowan a outro lugar menos povoado do arquipélago de Okinawa. No entanto, os residentes de Okinawa, ilha que abriga a maioria dos 50 mil militares dos EUA alocados no Japão, se opõem à manutenção da base no arquipélago. O espinhoso assunto foi utilizado por Hatoyama na campanha eleitoral com a qual chegou ao poder em setembro do ano passado, quando prometeu negociar a mudança de Futenma para fora de Okinawa e até mesmo fora do Japão. Agora, no entanto, tudo indica que o Governo planeja mantê-la em Okinawa embora com algumas mudanças menores, como a construção de uma plataforma em águas próximas à costa de Nago que receba parte das instalações. Segundo a "Kyodo", o Governo também estudaria transferir parte da unidade de helicópteros americanos para a ilha de Tokunoshima, a aproximadamente 200 quilômetros ao nordeste de Okinawa, uma ideia à qual se opuseram tanto Washington como os habitantes da ilha. O Governo dos EUA pediu ao Japão para respeitar o acordo assinado em 2006, e sustenta que necessita operar suas tropas em Okinawa de um modo integrado. A visita de hoje é a primeira de Hatoyama a Okinawa desde que assumiu o poder, em 16 de setembro, e acontece em meio a uma forte queda de sua popularidade, atualmente inferior a 30%. EFE mic/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG