Trabalhadores de diversos setores realizaram nesta quarta-feira uma greve geral no Uruguai, a primeira desde que o presidente Tabaré Vázquez tomou posse, em março de 2005. O protesto foi convocado pela central sindical PIT-CNT (Plenário Intersindical de Trabalhadores-Convenção Nacional de Trabalhadores, central única no Uruguai) por melhorias salariais, melhor distribuição de renda e em apoio a uma campanha para anular a lei de anistia a militares que atuaram na ditadura (1973-1985).

A lei de anistia foi rejeitada pela esquerda em 1989, mas eleitores a ratificaram num plebiscito naquela ocasião.

Agora, movimentos políticos de oposição e sindicatos coletam assinaturas para um abaixo-assinado para que novo plebiscito seja realizado junto com as eleições presidenciais de 2009.

Médico e militante de esquerda, o líder uruguaio é contra a revisão da anistia.

Nesta quarta-feira, bancos, escolas, departamentos públicos e o porto de Montevidéu não funcionaram, de acordo com a rádio Espectador.

Hospitais só atenderam casos de emergência. Os transportes públicos funcionaram irregularmente, e o comércio abriu parcialmente, segundo o jornal El País, em sua edição on line.

"O certo é que hoje a grande maioria dos trabalhadores do país aderiu à paralisação", disse Juan Castillo, do PIT-CNT.

Divisão
Vázquez foi eleito em 2004 pela coalização de centro-esquerda Frente Ampla, com outras legendas.

Ele rompeu a tradição no país, onde somente brancos (Partido Nacional) ou colorados (Partido Colorado) tinham assumido o poder ao longo da história.

Mais de três anos após ter assumido o cargo, o presidente mantém altos índices de popularidade.

A convocação da greve dividiu os sindicatos reunidos na PIT-CNT.

País com pouco mais de 3 milhões de habitantes, o Uruguai é apontado há anos pela Cepal (Comissão Econômica para América Latina) como um dos mais igualitários da região.

O país já foi chamado de a "Suíça" da América Latina. Mas agora os trabalhadores reclamam que apesar do crescimento econômico sustentável (em torno dos 5%) e do aumento das exportações, o poder aquisitivo não teria melhorado.

O país sofreu em 2001 os reflexos da pior crise econômica da Argentina, quando seus bancos (onde muitos argentinos tinham depósitos) foram afetados.

Agora, após a recuperação de vários indicadores, surgiu a greve.

Alianças
Nos últimos dias, os partidos políticos passaram a discutir ainda as próximas alianças eleitorais para o pleito de 2009.

Vázquez estaria inclinado a apoiar seu ministro da Economia, Danilo Astori, que já anunciou que deixará o posto para se candidatar.

Nas últimas horas, o ex-ministro da Agricultura de Vázquez, o senador e ex-guerrilheiro José Mujica, do mesmo partido do presidente, mudou sua postura e decidiu apoiar o plebiscito sobre lei de anistia.

Mujica é um dos políticos mais populares do país. Vázquez teria sinalizado que queria Mujica como vice de Astori ou talvez Astori como seu vice.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.