Presos cubanos e parentes organizam viagem à Espanha

Governo cubano realiza exames médicos e trâmites migratórios para permitir partida de 17 prisioneiros políticos nesta semana

iG São Paulo |

Presos políticos cubanos do total de 17 que vão para a Espanha estão reunidos numa penitenciária, enquanto seus parentes estão numa unidade militar de Havana à espera de poder se reunir com eles no aeroporto e viajar para Madri, informou neste domingo o líder dissidente Elizardo Sánchez. Os presos libertados começarão a chegar a Madri na segunda-feira, segundo fontes diplomáticas de Havana.

As autoridades começaram sábado a transferir os presos de vários locais da Ilha a Combinado del Este, em Havana, para a realização de exames médicos e dos trâmites migratórios, disse Sánchez à AFP.

Familiares de pelo menos cinco presos estão numa unidade militar do Ministério do Interior, em San Antonio de los Baños, sudoeste da capital, e em outras dependências do governo, para os procedimentos migratórios.

Álida Viso Bello, esposa de Ricardo González Alfonso, um dos presos incluídos no grupo de libertações, contou à Efe por telefone que as autoridades comunicaram que a viagem para a Espanha acontecerá até quinta-feira.

Álida disse que ainda não viu seu marido, correspondente da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) em Cuba e premiado pela mesma em 2008. Alfonso, sentenciado a 20 anos, é um dos 75 dissidentes condenados em 2003 na onda repressiva conhecida como "Primavera Negra".

"Estão buscando os parentes em suas casas e nos trouxeram de ônibus a uma clínica para fazer exames médicos. Já fizeram as nossas fotos para o passaporte", segundo Viso Bello, que estava acompanhada por sua filha, a ex-mulher de González e os dois filhos de seu marido.

Outra família que passou pelos mesmos trâmites na manhã deste domingo foi a do preso Léster González Pentón, integrante do movimento pró-direitos humanos Razón, Verdad y Libertad, condenado a 20 anos em 2003.

Mireya Pentón e Milay Pérez, mãe e esposa de Pentón, disseram à Efe por telefone celular que elas e mais sete familiares viajarão com ele para a Espanha.

Pentón também passou por exames médicos em um presídio de Havana para o qual foram levados alguns detentos que vão para a Espanha, contou sua mãe, que conversou por telefone com o filho preso.

Parentes dos presos Luis Milán Fernández e Omar Ruiz Hernández também confirmaram que foram levados para Havana por autoridades do Ministério do Interior de suas províncias de residência aparentemente para seguir procedimento similar.

A Igreja Católica cubana comunicou no sábado que 17 presos políticos dos que serão libertados em breve viajarão para a Espanha.

O governo cubano se comprometeu a libertar gradualmente em até quatro meses 52 presos políticos no marco do diálogo aberto com a Igreja Católica da ilha, um processo apoiado pela Espanha , que receberá todos os dissidentes que quiserem se mudar para o país.

*Com AFP e EFE

    Leia tudo sobre: CubaRául Castropresos políticosEspanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG