Zine el Abidine Ben Ali, chegou na noite de sexta-feira à Jeddah, após ter sido obrigado a deixar a Tunísia devido às revoltas

CAIRO - O presidente tunisiano, Zine el Abidine Ben Ali, chegou na noite de sexta-feira à cidade de Jeddah, na Arábia Saudita, após ter sido obrigado a abandonar o país africano pelo agravamento das revoltas, informou a Casa Real saudita em comunicado divulgado pela agência estatal "SPA".

Na nota, o Governo da Arábia Saudita diz que devido às excepcionais circunstâncias que vive o povo da Tunísia, onde o primeiro-ministro, Mohamed Ghannouchi, assumiu a Presidência interina, "Ben Ali e sua família foram recebidos no país".

O chefe de Estado tunisiano deixou seu país na sexta-feira com rumo desconhecido, e inicialmente foi especulado que teria ido a Malta ou à Itália, países que negaram que Ben Ali estivesse em seu território.

O Executivo saudita expressa no comunicado seu desejo em que "a segurança e a estabilidade" voltem à Tunísia, onde há um mês começou uma onda de contestação social sem precedentes, o que deixou dezenas de mortos.

Ghanuchi assumiu a Presidência interina poucos minutos depois de fontes governamentais informarem que Ben Ali abandonara o país após viver a crise mais grave de seus 23 anos no poder.

Em um breve discurso junto aos presidentes do Congresso e da Câmara de Conselheiros (Senado), Ghanuchi, de 69 anos, se comprometeu a respeitar a Constituição e recuperar a estabilidade no país.

* Com a EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.