Presidente sul-africano liderará negociação no Zimbábue

Johanesburgo, 15 jan (EFE).- O presidente da África do Sul, Kgalema Motlanthe, liderará uma delegação que viajará na próxima semana ao Zimbábue para negociar com os líderes políticos do país vizinho, confirmou hoje o escritório da Presidência sul-africana.

EFE |

A delegação que parte na segunda-feira incluirá o presidente moçambicano, Armando Guebuza, e o ex-chefe de Estado sul-africano Thabo Mbeki, mediador das negociações entre o Governo e a oposição política do Zimbábue, assinala o comunicado.

Mbeki foi designado mediador para o Zimbábue pela Comunidade para o Desenvolvimento da África Meridional (SADC), mas sua atuação ficou marcada desde que ele foi obrigado, no ano passado, a renunciar à Presidência sul-africana por seu próprio partido, Congresso Nacional Africano, sendo substituído por Motlanthe.

O líder do partido opositor zimbabuano Movimento para a Mudança Democrática (MDC), Morgan Tsvangirai, anunciou hoje em Johanesburgo que se reunirá na próxima semana com o presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, para listar os obstáculos na formação de um Governo de união nacional e superar a crise que atravessa o país.

Tsvangirai indicou que, embora Mugabe não seja "um parceiro confiável", ele considera que é "crucial acabar com esta situação e aplicar finalmente o acordo global" para a formação do Governo de unidade, assinado em 15 de setembro, para tentar tirar o país da crise política e econômica.

"Acho que o acordo político oferece as melhores medidas para evitar que o Zimbábue se transforme em um Estado fracassado", recalcou Tsvangirai, que condicionou sua participação no Governo à "libertação incondicional" dos opositores e defensores dos direitos humanos detidos pelo regime de Mugabe.

O líder opositor assinalou que viajará no sábado a Harare para preparar, com a cúpula de seu partido, a reunião com a governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), de Mugabe, que está prevista para a próxima semana, sem que haja um dia certo firmado.

Segundo o comunicado do Governo sul-africano, a reunião para discutir os temas pendentes relacionados à implementação do acordo global entre os partidos zimbabuanos, estava prevista inicialmente para amanhã, sexta-feira, mas teve que ser adiada "a solicitação de uma das partes".

O Governo de união nacional, no qual Mugabe manterá a Presidência e Tsvangirai será primeiro-ministro, não pôde ser formado devido à repressão contra os opositores e porque a Zanu-PF pretende ocupar todos os ministérios relevantes, como Interior e Finanças, que segundo o acordo deveriam ficar com o MDC. EFE jm/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG