Presidente somali renuncia em pleno caos humanitário e de segurança

SOMÁLIA - O presidente somali, Abdullahi Yusuf Ahmed, renunciou ao cargo nesta segunda-feira por não ter conseguido garantir a paz na Somália. Em meio a uma crise política que paralisou as instituições, o país está mergulhado no pior ciclo de violência desde o início da guerra civil em 1991.

AFP |

Eleito para a presidência da Somália em 10 de outubro de 2004, Yusuf nunca conseguiu impor sua autoridade em todo o país, no qual os milicianos islamitas controlam agora boa parte do centro e o sul.

"Havia prometido deixar o poder se não conseguisse garantir a paz, a estabilidade e a democracia à Somália", declarou Yusuf em discurso ante os parlamentares em Baidoa, sede do Parlamento de transição, 250 km ao noroeste da capital, Mogadíscio.

"Eu decidi devolver-lhes o poder; assinei a carta de demissão e dei o poder ao presidente do Parlamento, Aden Mohamed Nur, que a partir desta segunda-feira exercerá a função do presidente da Somália", acrescentou Yusuf.

Nur confirmou ter recebido e aceitado a carta de demissão de Yusuf.

O Parlamento tem agora 30 dias para escolher um novo presidente.

Em relatório semana passada, o International Crisis Group (ICG) atribuiu a Yusuf a responsabilidade pelo caos atual, que os islamitas aproveitaram para ganhar terreno, e a paralisação das discussões de paz.

"Yusuf deixou de lado a maioria da população e exacerbou as divisões; se tornou um obstáculo para a paz e a sobrevivência do país", escreveu o ICG.

Agora, a renúncia chega em meio a uma grave crise política entre o presidente e uma parte de seu governo, além do Parlamento de transição.

Yusuf havia anunciado em 16 de dezembro a escolha de um novo primeiro-ministro, Mohamud Mohamed Guled, para substituir Nur Hasan Husein, que no entanto havia sido confirmado um dia antes para o cargo por um voto de confiança dos parlamentares.

A destituição de Husein foi condenada pela comunidade internacional e considerada ilegal pelo Parlamento.

Em 24 de dezembro, Guled anunciou por sua vez sua demissão.

As divergências paralisaram completamente o trabalho das instituições há várias semanas.

Além disso, desde a queda no início de 2007 dos insurgentes dos tribunais islâmicos, que chegaram a controlar Mogadíscio, a violência aumentou na capital e em um número cada vez maior de regiões somalis, onde as forças governamentais, apoiadas pelos aliados etíopes, combatem os islamitas.

A Etiópia, que interveio no fim de 2006 na Somália para combater os tribunais islâmicos, anunciou que vai retirar todo o Exército do território somali no início de 2009, o que acentua as dúvidas sobre a segurança na região do chifre da África.

Além da frágil situação da segurança, as condições da população são desastrosas. Segundo a ONU, 3,2 milhões de somalis, quase metade dos habitantes, precisam de ajuda de primeira necessidade para sobreviver.

Leia mais sobre: Somália

    Leia tudo sobre: somália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG