Presidente russo pede repressão a manifestações por crise

SÃO PETERSBURGO - O presidente russo, Dmitry Medvedev, ordenou nesta sexta-feira que a polícia aniquile qualquer distúrbio social ou onda de crimes decorrente da crise financeira.

Reuters |

"Temos um Estado estável...não há necessidade de se voltar para os anos 1990, quando tudo estava fervendo", disse Medvedev em uma reunião com autoridades.

"As agências de execução da lei deveriam acompanhar o que está acontecendo", disse.

"E se alguém tentar tirar proveito da crise financeira... as agências devem intervir, fazer processos criminais. Senão, não haverá ordem".

O maior período de crescimento econômico em uma geração tem ajudado o Kremlin a manter a estabilidade política, mas alguns analistas dizem que a crise financeira poderá desencadear uma onda de distúrbios sociais.

O índice da bolsa de valores russa, o RTS, já caiu cerca de 70 por cento desde maio, um dos piores desempenhos entre as economias emergentes.

Os altos preços do petróleo, que estavam alimentando a prosperidade econômica russa, caíram de um pico de 140 dólares em julho para pouco mais de 60 dólares atualmente.

O impacto da crise na população até agora tem sido limitado, em parte porque a posse de ações não é generalizada, e poucas pessoas possuem previdência privada. Mas empresas de alguns setores começaram a cortar postos de trabalho.

(Por Denis Dyomkin. Reportagem adicional de Aydar Buribaev, em Moscou)

    Leia tudo sobre: rússia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG