criminoso - Mundo - iG" /

Presidente russo diz que incêndio que matou 109 é criminoso

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, declarou a próxima segunda-feira como dia nacional de luto em memória das vítimas de um incêndio em uma casa noturna na cidade de Perm, na noite de sexta-feira, que deixou pelo menos 109 pessoas mortas. Comentando o incidente neste sábado, Medvedev classificou o incêndio como ato criminoso e pediu a punição mais dura possível para os responsáveis.

BBC Brasil |

O presidente russo ainda afirmou que os responsáveis pelo clube "não têm nem cérebro nem consciência".

"Tudo o que aconteceu não pode ser classificado de outra maneira que não como crime. (...) Não foi um crime premeditado, mas a gravidade de suas consequências não são menos sérias", disse.

De acordo com as autoridades russas, o incêndio teria sido causado por fogos de artifício usados dentro da casa noturna. A maioria das vítimas teria morrido de asfixia, ao inalar fumaça.

Outras 140 pessoas ficaram feridas no incidente no clube Lame Horse, na cidade de Perm, a sexta maior da Rússia e que fica cerca de 1.4000 km a leste de Moscou.

Também neste sábado, as autoridades russas anunciaram terem detido o dono da casa noturna e outros suspeitos de envolvimento no incidente.

Ainda de acordo com as autoridades do país, os responsáveis pelo clube teriam ignorado reiterados avisos sobre as poucas condições de segurança contra incêndio na casa.

'Palha seca'
O clube comemorava oito anos de existência na noite de sexta-feira.

Imagens gravadas por uma pessoa que estava no local mostram os convidados dançando pouco antes que fagulhas causadas por fogos de artifício incendiassem o teto da casa.

Em entrevista à agência de notícias Associated Press, Svetlana Kuvshinova, que estava no clube, disse levou apenas "alguns segundos" para que as chamas se espalhassem.

"Era como se houvesse palha seca. Só havia uma saída, eu quase fui esmagada", disse.

O governo descartou que o incêndio tenha sido causado por um ataque terrorista e determinou que uma comissão especial investigue as causas do incidente.

De acordo com Rupert Wingfield-Hayes, correspondente da BBC em Moscou, a falta de segurança adequada contra incêndios é comum no país.

Segundo ele, mesmo em Moscou, é comum encontrar saídas de incêndio trancadas.

No ano passado, 18 mil pessoas morreram em incêndios na Rússia.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG