Presidente polonês diz que acordo Sarkozy-Medvedev não se cumpre

Tbilisi, 23 nov (EFE).- O presidente da Polônia, Lech Kaczynski, declarou hoje que não se cumpriu o acordo que previa a retirada das tropas russas e georgianas a posições anteriores à explosão bélica de agosto em torno da região separatista da Ossétia do Sul.

EFE |

"Em volta de Tbilisi há um território ocupado por tropas russas russa", declarou o Presidente polonês em uma improvisada entrevista coletiva , depois de a comitiva que levava ele e seu colega georgiano, Mikhail Saakashvili, ser alvo de tiros.

Kaczynski disse em entrevista coletiva que informará a Washington e à União Européia que o acordo de seis pontos assinado em agosto pelos presidentes da Rússia, Dmitri Medvedev, e França, Nicolas Sarkozy, "não se cumpriu até o final".

Os jornalistas foram convocados por causa do incidente ocorrido hoje na fronteira com a região separatista da Ossétia do Sul, controlada pelas tropas russas.

Do posto de controle das tropas russas ou da Ossétia do Sul (que usam o mesmo uniforme) saíram vários disparos quando a comitiva dos presidentes passou a cerca de 50 metros.

"Foi uma agressão. Em pleno centro da Geórgia há tropas de ocupação que não cumprem o cessar-fogo", disse Saakashvili.

Seu colega polonês ponderou que "possivelmente deram tiros para o ar". "Já tinha escurecido", reforçou.

O acordo Sarkozy-Medvedev prevê, em particular, o cessar-fogo e a retirada das tropas russas e georgianas de volta às posições anteriores ao conflito, que explodiu quando a Geórgia tentou apoderar-se pela força da Ossétia do sul.

No entanto, o distrito de Ajalgori, habitado por georgianos, segue sob controle das tropas russas.

Embora o incidente de hoje tenha sido gravado pelas equipes de televisão que acompanhavam os presidentes, tanto a Ossétia do Sul quanto a Rússia negaram qualquer envolvimento de suas forças armadas. EFE mv/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG