Presidente paraguaio é alvo de terceira denúncia de paternidade

ASSUNÇÃO (Reuters) - Uma terceira mulher anunciou na quarta-feira que tem um filho do presidente do Paraguai, o ex-bispo católico Fernando Lugo, abrindo um novo capítulo no escândalo que cerca o presidente. Lugo, que está no poder há oito meses, viu sua popularidade cair por causa da comoção provocada pelas denúncias de paternidade, que provocaram duras críticas da oposição e da hierarquia da Igreja Católica. A maioria dos paraguaios é católica.

Reuters |

Damiana Morán, uma professora de 39 anos, disse à mídia local que o advogado do presidente, Marcos Fariña, está em contato com ela para acordar as medidas a serem tomadas para garantir os direitos de seu filho de pouco mais de 1 ano, que Morán afirma ser filho de Lugo.

"Não vou apresentar uma demanda na Justiça porque o caso já está encaminhado. Já há um diálogo instalado para que ele assuma sua responsabilidade devida e para que sejam protegidos os direitos do menino", disse a uma rádio local Morán, a terceira mulher a afirmar que tem um filho do presidente.

Morán revelou que escondeu sua gravidez de Lugo quando este iniciava sua carreira política porque deu "prioridade ao processo" e que decidiu revelar a ele que era o pai da criança por temer que setores políticos "manobrem e manipulem o assunto".

"Falei com ele na segunda-feira, quando decidi falar com a imprensa antes que isto seja distorcido. Ele me disse que a partir de agora ele e Marcos (Fariña) vão traçar uma estratégia a seguir", explicou Morán.

Fernando Lugo abalou o país na semana passada quando, pressionado por um recurso judicial, admitiu que era pai de um menino de quase 2 anos, fruto de um relacionamento que teve com uma jovem quando ainda era clérigo.

O chefe de Estado registrou o menino e iniciou os trâmites para que este passe a ter seu sobrenome.

Na segunda-feira, Benigna Leguizamón, uma humilde vendedora de detergentes de 27 anos que vive no leste do país, anunciou que abrirá um processo pedindo reconhecimento de paternidade contra Lugo, para que ele reconheça seu filho de 6 anos de idade.

O advogado de Leguizamón, Leong Je Park, informou: "Vamos apresentar um pedido de reconhecimento de paternidade, ou seja, vamos requerer um exame de DNA. Vamos pedir por via judicial que seja feito em dois laboratórios, para eliminar qualquer dúvida."

A polêmica em torno da paternidade do presidente explodiu num momento em que Lugo vem se distanciando de seu vice-presidente, Federico Franco, e procurando infundir mais dinamismo em sua gestão, com uma mudança de gabinete.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG