Nova York, 9 dez (EFE).- O presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, propôs que o Paquistão e a Índia colaborem na luta antiterrorista e que sigamos avançando em nosso processo de paz, em artigo publicado hoje pelo jornal The New York Times.

"Os atentados de Mumbai (há quase duas semanas, no qual morreram 188 pessoas) eram dirigidos não só contra a Índia, mas também contra o novo Governo democrático do Paquistão e contra o processo de paz com a Índia que empreendemos", escreveu Zardari.

"Para frustrar os propósitos dos terroristas, as duas grandes nações do Paquistão e da Índia, nascidas da mesma revolução e do mesmo mandato, têm que seguir adiante com o processo de paz", continuou, em seu artigo de opinião no jornal nova-iorquino.

"A Índia e o Paquistão - e o resto do mundo - têm que colaborar para buscar os terroristas que espalharam o caos em Mumbai, atacaram Nova York, Londres e Madri no passado, e destruíram o Hotel Marriott em Islamabad em setembro", afirmou.

"Os terroristas que mataram minha esposa (a ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, em dezembro de 2006) têm vínculos ideológicos com esses inimigos da civilização", disse.

O presidente paquistanês lembrou que os terroristas islâmicos "não surgiram do nada", mas sua atividade foi fomentada durante a Guerra Fria, como uma arma contra a União Soviética no Afeganistão.

Zardari apelou ao resto do mundo que ofereça ajuda ao Paquistão, que "está na linha de frente na guerra contra o terrorismo", e que, em sua fronteira com o Afeganistão, colocou "150 mil soldados, que lutam contra Al Qaeda, os talibãs e seus aliados extremistas, muitos efetivos a mais do que os da Otan no Afeganistão".

"Para Índia, Paquistão e Estados Unidos, a melhor resposta ao massacre de Mumbai é a coordenação para fazer frente à intensificação do terrorismo", argumentou.

Para isso, "o mundo deve atuar para fortalecer a economia e a democracia do Paquistão, nos ajudar a construir a sociedade civil e oferecer a capacidade de garantir a segurança e lutar contra o terrorismo", especificou. EFE wm/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.