Presidente paquistanês pede fim de disposições ditatoriais da Constituição

Islamabad, 5 jul (EFE).- O presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, comprometeu-se hoje a eliminar da Constituição as disposições introduzidas por ditadores que, segundo ele, alimentaram o extremismo no Paquistão para sua sobrevivência política.

EFE |

"Deixem-nos prometer a retirada da Constituição de todas as contribuições antidemocráticas feitas pelos ditadores", disse Zardari, em discurso por ocasião do aniversário do golpe de Estado do general Mohammed Zia ul-Haq, segundo informações da agência "APP".

O presidente acrescentou que "o desmantelamento das estruturas democráticas que começou em 5 de julho de 1977 lembra como um ditador militar nutre os extremistas para sua sobrevivência política".

"Há 32 anos, em um dia como hoje, um ditador forçou a nação a seguir o caminho da destruição. A judicatura foi dizimada, as instituições, destruídas; os direitos fundamentais, usurpados; o povo, privado de seu direito de voto; as mulheres, aterrorizadas; as minorias, marginalizadas; e cidadãos inocentes, enforcados por mera dissidência política", acrescentou.

Segundo o presidente, 5 de julho será lembrado como o dia no qual "um ditador" espalhou "as sementes dos mortíferos talibãs e da Al Qaeda", que primeiro colocaram "o mundo no caos e que agora perseguem o Paquistão".

Em meio a uma forte convulsão social, em 1977, o então chefe do Exército, Mohammed Zia ul-Haq, deu um golpe de Estado contra o então primeiro-ministro do Paquistão, Zulfiqar Ali Bhutto, que foi processado, preso e finalmente enforcado sob acusações de assassinato dois anos depois.

"Temos que derrotar para sempre os parceiros estratégicos (dos ditadores) sob forma de insurgentes, extremistas e fanáticos religiosos. Faremos isso", disse o presidente.

Atualmente, o Governo do Paquistão realiza uma ofensiva em grande escala contra a insurgência em vários distritos do norte do país e finaliza outra grande operação na demarcação tribal do Waziristão do Sul contra o líder dos talibãs paquistaneses, Baitullah Mehsud.

Zardari acrescentou que o governante Partido Popular do Paquistão (PPP), do qual é copresidente, iniciou um processo pactuado com as forças políticas do país para eliminar do texto constitucional as disposições antidemocráticas.

Em 10 de abril, o Parlamento do Paquistão aprovou a formação de um comitê encarregado de realizar um processo de consultas com os partidos políticos para diminuir os poderes do presidente e devolvê-los à Câmara.

Trata-se de revogar as emendas acrescentadas em 2003 pelo então presidente paquistanês, Pervez Musharraf, que concede ao chefe do Estado o poder de afastar o Governo e dissolver o Parlamento. EFE igb-mb/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG