Presidente líbio vai à Tunísia para reatar relações bilaterais

Túnis, 3 ago (EFE).- O presidente líbio, Muammar Kadafi, chegou hoje à Tunísia em visita de trabalho para reatar as relações bilaterais e regionais e examinar diversos projetos econômicos.

EFE |

Kadafi participará de sua primeira reunião de trabalho com Zine El Abidine Ben Ali, o chefe de Estado da Tunísia.

As autoridades tunisianas não revelaram a agenda de Kadafi nem a duração da viagem.

Segundo a imprensa local, Kadafi e Ben Ali abordarão a situação da União do Magreb Árabe (UMA), à qual os dois países pertencem junto da Argélia, Marrocos e Mauritânia, e que se encontra bloqueada desde janeiro de 1994 por causa das diferenças que separam Argel e Rabat sobre o conflito do Saara Ocidental.

Outro dos temas que serão tratados na Tunísia, no contexto desta visita, é o da União pelo Mediterrâneo (UPM), cuja cúpula inaugural em 13 de julho em Paris não contou com representação líbia.

O presidente líbio criticou o projeto euro-mediterrâneo iniciado pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, o chamando de operação hostil em relação à África, com a suposta intenção de dividir os países africanos.

Ben Ali, por outro lado, defendeu a UPM desde o primeiro instante e dias antes da cúpula de Paris enviou um emissário à Trípoli para explicar a Kadafi as razões de seu apoio. Uma delas é seu desejo de que a futura Secretaria-Geral dessa união euro-mediterrânea seja em Túnis.

Entre os investimentos feitos pela Líbia na Tunísia um dos últimos foi a construção de um luxuoso complexo imobiliário nas cercanias da capital tunisiana, que Kadafi poderia visitar durante sua estadia.

A balança comercial entre os dois países cresceu substancialmente nos últimos cinco anos e alcançou em 2007 US$ 2 bilhões, o que torna a Líbia o principal parceiro econômico da Tunísia no Magreb, e a quinta a nível mundial, depois de França, Itália, Alemanha e Espanha.

Um total de 39 empresas estatais líbias investiram na Tunísia, sendo que 31 fizeram isso no setor industrial, cinco no de turismo e três no de serviços, criando deste modo cerca de três mil postos de trabalho.

A Líbia absorve 7% de todas as exportações tunisianas e exporta à Tunísia uma porcentagem similar, contribuindo para o equilíbrio de sua balança comercial. EFE mo/bm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG