Presidente eleito de Taiwan descarta rápida unificação com China

Taipé, 16 mai (EFE) - O presidente eleito de Taiwan, Ma Ying-jeou, considera muito improvável a unificação com a China em um futuro próximo, dada a situação objetiva no estreito de Formosa, disse hoje um de seus porta-vozes.

EFE |

Ao declarar que é "improvável a unificação com a China em nossa vida", Ma não expressava seus desejos, mas só as sérias dificuldades enfrentadas pelo projeto unificador, disse Wang Yu-chi, porta-voz do futuro líder.

O presidente eleito de Taiwan tem consciência de que os taiuaneses não podem aceitar o controle de um sistema totalitário, como o que impera na China, assinalou Wang, que acrescentou que "não se dão as condições necessárias para negociar a união".

Ma, que tomará posse de seu cargo no dia 20, prometeu durante a campanha eleitoral uma aproximação econômica com a China, mas sem negociar a unificação durante seu mandato.

O presidente em fim de mandato de Taiwan, Chen Shui-bian, defendeu que o país seguisse um caminho separado permanentemente da China e adotou políticas e medidas consideradas por Pequim como provocadoras.

O líder eleito de Taiwan é membro do Partido Nacionalista ou Kuomintang (KMT), que defende uma união com a China, em democracia, liberdade e bem-estar. EFE flp/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG